O que um dragão pode fazer em uma rodada?

A coluna de Design e Desenvolvimento da WotC teve como assunto essa semana o combate entre um dragão vermelho ancião e um grupo de quatro aventureiros, pelas regras da 4ª edição é claro! Segue a parte importante da coluna:

  • On the dragon’s turn, the first thing it does is burst out in an inferno of flame, searing every PC within 25 feet—a free action. Then, with a standard action, it slashes out at the fighter and the cleric with its two front claws (even though they’re both 20 feet away). As another free action, it uses its tail to slap the rogue, who was trying to sneak up behind it, and pushes her back 10 feet. It’s getting angry at the wizard, so it uses a special ability to take another standard action: it spits a ball of fire at the wizard, setting him on fire. It has a move action left, which it uses to fly into a better position for its breath weapon. That ends the dragon’s turn.
  • It’s the fighter’s turn. He charges the dragon and manages to land a solid blow, dropping the dragon down below half its hit points. Oh—that gives the dragon the opportunity use its breath weapon as an immediate action. A huge cone of fire bursts from the dragon’s mouth, engulfing all four PCs. But at least the dragon is below 500 hit points!
  • Now the rogue moves around to flank with the fighter. Ordinarily, that would let the dragon use its tail slap again as an immediate action, but the dragon has used its immediate action already. That’s lucky for the rogue, who actually gets to make an attack this round! Unfortunately, she fails to hit the dragon’s AC of 49.
  • The wizard fails to put out the fire, so he takes more damage. Worse yet, the dragon’s breath scoured away the wizard’s fire resistance, so he takes the full amount. He blasts the dragon with a ray of freezing cold, but this isn’t 3rd Edition. The dragon takes normal damage, but it’s not enough to slow it down.
  • Finally, the cleric is up. Calling on the power of her god, she swings her halberd at the dragon—a critical hit! The damage isn’t bad, but even better, the wizard gets a nice surge of healing power.He’s going to need it—it’s the dragon’s turn again.

Algumas observações sobre o combate descrito na coluna. A Classe de Armadura continua valendo apesar das mudanças do Star Wars Saga. Além disso a CA do dragão está bem alta, CA 49 é 10 pontos acima da Classe de Armadura de um dragão vermelho ancião no Monster Manual da 3.5. Acho esse valor é devido ao upgrade dos dragões na nova edição, mas também pode ser graças a um upgrade geral nos valores de defesa ou mesmo por alguma proteção mágica.

 

A mecânica de Ataques de Oportunidade também deve ter sofrido boas mudanças ou mesmo ter sido retirado completamente para dar lugar a algo novo. Em determinado momento o dragão ganha uma ação livre que usa para atacar a ladina que se esgueira para atacá-lo, e em outro uma ação imediata para reagir ao ataque do guerreiro, que o reduz para menos da metade de seus pontos de vida. Não fica claro se usar seu cone como ação imediata ao perder metade dos pontos de vida é uma habilidade dos dragões, um talento especial ou uma nova mecânica mais geral.

 

Sobre o medo de alguns freqüentadores da EN World que apenas um ataque do guerreiro tenha reduzido os pontos de vida do dragão (aproximadamente 1000!) à metade, Mike Mearls escreveu:

Let me assure everyone that, if the fighter in the example actually did do 500 hit points of damage in one attack, development will ambush him on his way out of design and soundly beat his damage back to a real D&D level.

(The example combat cannot possibly start on round 1. It’s more likely round 4 or 5. Dragons take a LOT more than 2 hits to go down, and no PC will come close to doing 500 hit points of damage to a single target with one attack.)

Finalmente o clérigo e seu ataque crítico que cura um companheiro além de ferir o dragão… Isso eu não entendi, mas me pareceu muito bom! A verdade é que em alguns combates o clérigo se vê frente a escolha de poder fazer algo legal (soltar uma magia de proteção/dano, combater, invocar alguma criatura) ou se mover para perto do guerreiro ou tanque de plantão para curá-lo. Acho que todo mundo conhece algum caso do clérigo ser amaldiçoado pelo grupo por ter tentado inovar ao invés de curar em um momento decisivo, e talvez essa mecânica seja um pequeno passo na direção de juntar as duas coisas – fazer algo legal e cumprir o papel da classe.

 

Não sei se o sistema de combate será simples e dinâmico como foi prometido, mas certamente parece divertido!

Comments are closed.