Mais novidades sobre o D&D Insider

A coluna Design & Development dessa semana não tem nada a ver com design da nova edição e seu desenvolvimento, mas com um tema que me interessa da mesma forma – o sistema de funcionamento do D&D Insider e como este vai se relacionar com os livros impressos.

Na maior parte da coluna fala sobre os quatro aplicativos do DDI e das duas principais ferramentas online: D&D Game Table, D&D Character Creator, D&D Dungeon Builder e D&D Encounter Builder; e as ferramentas Character Vaults e Campaign Vaults sem muitas novidades específicas de cada função – a maioria disso tudo nós já sabíamos de noticias antigas.

As novidades ficam por conta da confirmação do lançamento do “verdadeiro” D&D Insider em Junho de 2008, simultaneamente com o lançamento dos livros básicos da nova edição, e da menção a uma forma de acesso digital aos livros que não é necessariamente a conta no DDI:

The character sheet portion of the D&D Character Creator is a data-driven Windows rich client application designed to facilitate character sheet creation using the D&D 4th Edition rules. D&D Insider subscribers will be able to create characters using content from any published book. To get access to the full details of the relevant rules and mechanical elements, though, you will need to own the E-version of the physical book where these rules or mechanical elements were published. When you purchase the printed book, a code will grant access to the E-version of the book for a nominal fee. As a subscriber, ownership of the E-version gives you access, when you are online, to the rules content while you’re filling out or updating your character sheet. Without the E-version, however, the character sheet will give you only the barest information (such as the names of feats and such) and refer you to the appropriate published books.

Agora as coisas começaram a ficar interessantes. Para criar um personagem no D&D Character Creator, por exemplo, é preciso ter uma conta do D&D Insider, ok isso já tínhamos entendido.  No entanto, a criação somente através de uma conta do DDI não proporciona acesso total ao conteúdo de mecânicas e regras do livro, o que faz bastante sentido, afinal se fosse assim era só pagar a mensalidade do DDI e usar um notebook na mesa de jogo para ter o melhor custo/benefício da terra. Por outro lado, se você tiver o livro em mãos, pode tranqüilamente colocar o talento ou magia que deseja em seu personagem no D&D Character Creator, mas a descrição do que ele faz vai depender do seu livro impresso. Não é exatamente a melhor e mais útil ferramenta de RPG já inventada, mas até que é bacana.

Claro que assim que o artigo foi publicado no site da WotC uma enxurrada de perguntas foram feitas: de quanto exatamente é essa nominal fee? Como será o formato dessa e-version do livro? Scott Rouse respondeu a algumas dessas perguntas no fórum da ENworld. A tal taxa para acessar a versão digital do livro será de aproximadamente $1 ou $2 dólares, um valor bem honesto na minha opinião. A aquisição da versão digital do livro por esse preço camarada depende logicamente da compra do livro impresso, e como já havia sido anunciado, cada livro virá com um código único que permitirá a compra do equivalente digital.

Não será necessário ser membro do D&D Insider para adquirir a versão digital dos livros –  uma conta gratuita no Gleemax e a posse do livro impresso são suficientes, o que é uma jogada inteligente, afinal nem todo mundo precisa de uma mesa virtual de D&D ou vai se interessar pelas novas encarnações das revistas Dragon e Dungeon (que até agora não convenceram muito), mas a possibilidade do cara ter o livro digital por mais um pouquinho de dólares, com um OCR decente, bookmarks e esse tipo de facilidade certamente vai atender muita gente. E para emendar mais uma boa notícia, a versão eletrônica dos livros será provavelmente no formato PDF e poderão ser usados offline, espantando um temor que muita gente tinha sobre formas de autenticação que precisassem de uma conexão com o site da WotC. Nada foi dito sobre DRM ou outro método anti-competitivo de proteção, mas eu realmente não acredito que a Wizards entrará novamente nessa burrada.

Acho que a WotC esta fazendo a jogada de maneira muito inteligente aqui. A opção de não associar necessariamente a compra da versão digital com a conta no D&D Insider é um reconhecimento de que o mercado é fragmentado, e que muitos consumidores não vão se interessar por ambos os produtos. A cobrança de um valor módico de $2 dólares pela versão digital também me agradou – seria inocência esperar que a versão online completa dos livros fosse distribuída para os assinantes do DDI (que vão pagar uma mensalidade de $9.95) e novamente isso possibilita que alguém que não se interesse pelas ferramentas do D&D Insider aproveite a versão digital dos livros.

Finalmente a cobrança de um valor, mesmo que de alguns centavos, é uma forma muito inteligente de garantir a segurança da negociação. Como Charles Ryan, nosso profeta do apocalipse favorito falou, a simples cobrança ativa serviços de segurança muito mais efetivos do que a WotC jamais conseguiria ter, como as empresas de cartão de crédito e paypal, que investem mais dinheiro em segurança por mês do que a Wizards deve ganhar em um ano. Não que eu acredite em sistemas imunes a pirataria, mas a WotC parece estar em um meio termo interessante onde a preocupação com a segurança não se tornou ainda uma paranóia demente que destrói a própria iniciativa digital, e com saídas que indicam para um sistema robusto e simples de segurança.

Comments are closed.