O fim da licença d20 com a nova edição

Essa semana Scott Rouse confirmou que não haverá a licença d20 na 4ª edição, mas apenas produtos de D&D da Wizards e produtos lançados pela licença OGL. A nota traduzida por ser encontrada aqui.

O CF fez uma ótima explicação sobre as diferenças entre as licenças que acho que tira todas as dúvidas sobre o assunto. Basicamente a licença d20 é mais restritiva, mas obviamente permite o uso do logo do d20 na capa do produto. Já a OGL é bem mais livre e permite maiores modificações no sistema de regras, como foi feito no Mutants & Masterminds, mas não tem um selo unificado e não pode carregar nenhuma referência de compatibilidade com o D&D ou sistema d20.

Dessa forma, qualquer livro ou cenário publicado por outra editora que não seja a Wizards será considerado OGL. Vai fazer tanta diferença assim? Não sei. A verdade é que o logo do d20 ficou associado a um monte de material porcaria que saiu na época do boom da terceira edição, e serve apenas como uma referência de compatibilidade ao invés de qualidade.

E o que vira no lugar do selo d20? Segundo Rouse, eles estão trabalhando em uma frase ou expressão que indique a compatibilidade do produto com a 4ª edição do Dungeons & Dragons. Curiosamente, as editoras menores, principalmente as que publicam em PDF na RPGNow e Your Games Now, se mostraram otimistas com a mudança, a maioria alegando que a medida diminuirá a confusão entre as licenças. Mas para as editoras grandes e médias, principalmente as que trabalham com produtos impressos, a notícia não foi tão bem recebida assim.

Chris Pramas (novamente ele) fez mais um post interessante, desta vez com sua visão sobre o fim da licença d20. Ele começa com uma recapitulação de seu encontro (junto com membros de outras editoras importantes) com a equipe da WotC na GenCon, antes do anúncio da nova edição:

When 4th edition D&D was announced at Gen Con, the immediate question that publishers like GR asked was, “What’s going to happen with the Open Game and d20 Licenses?” There was a meeting that Friday night and we thought we’d be getting info from WotC then. Turns out they were looking for feedback from existing publishers and they did not yet know what they were going to do with the two licenses. A few things were clear coming out of that meeting. 4th edition would be released under the Open Game License and they wanted to create a new d20 logo that was more of a mark of the quality than the original became. However, WotC itself was not interested in any program that would involve oversight on their part. That would require staff work and it’s (understandably) not something they want to spend money on when the licenses themselves are free.

Até ai ok. Então vem a sugestão do nosso amigo Pramas:

At the meeting I suggested that WotC might offload that approval work to the better 3rd party companies. The idea was that WotC create a new d20 logo and then pick the top 10 or so companies and give them the right to use it. Smaller companies could then approach the official d20 companies and try to make publishing deals. How those deals would work would of course be up to the companies involved, but I imagined something akin to Green Ronin’s deal with the Game Mechanics. This would essentially turn many of the smaller companies into design houses and the d20 companies would be the publishers. The point of this plan would be to prevent a second d20 glut and to ensure that products bearing the new d20 logo met some benchmarks for quality. WotC would probably want to review the list of d20 publishers every 12-18 months, adding companies that had proved themselves and dropping publishers that were doing a poor job.

The important safety valve to this entire plan is the Open Game License itself. The above process would be important only to those companies who wanted to use the new d20 logo. The OGL would continue to allow companies to publish what they wanted without restriction. Many people conflate the OGL and the d20 STL and they are different beasts. Mutants & Masterminds and True20 use only the OGL and do not bear the d20 logo at all. Changing the way the d20 STL worked would not change the OGL and publishers of any size would always have the latter as an option.

Acho que nessa sugestão o Pramas mostrou toda sua inocência ou malícia, só não sei bem qual dos dois. Em um mundo perfeito, essas 10 ou mais editoras que aprovariam e concederiam o selo d20 para as outras centenas de editoras não as tratariam como concorrentes, mas sim como irmãos em uma busca pelo produto d20 perfeito. Claro que a Secular não é uma ameaça para a Green Ronin, por exemplo, mas a Ronin Arts, editora que mais faturou com PDFs em 2006, é sim uma ameaça. Entre a Secular e a Ronin Arts existem centenas de editoras dos mais variados calibres e poder de fogo, e o Pramas sugere que as 10 maiores editoras escolham e fiscalizem quem merece o selo D20? Hmmm, pode anotar 2 dark side points na sua ficha cara!

Eu não sei exatamente o que aconteceria nesse cenário, mas certamente não seria bom para a enorme maioria das editoras. Acho que o mais provável seria o pagamento de uma taxa ou porcentagem dos lucros, exatamente como a Green Ronin faz com a Game Mechanics atualmente. E a menção da OGL como uma opção as editoras que não quiserem (ou conseguirem) o selo d20 é bacana, mas acho que não funcionaria tão bem – se quiséssemos lançar um produto totalmente compatível com o D&D como o Advanced Character Guide: Arcane Archer, por que usar uma licença OGL? A situação piora se os produtos concorrentes dentro desse nicho tivessem a licença d20. Talvez isso afetasse negativamente minhas vendas, e não necessariamente significaria que meu produto não tem qualidade. Bem complexo mesmo…

E finalmente ele concluí:

Update: Well, over on EN World Scott Rouse has made a further clarification that is actually pretty big news for 3rd party publishers.

“There will be the OGL and Wizards D&D products period. No d20 STL (tiered or otherwise) to be even more clear.”

So there will be no d20 logo at all. This means not only will there be a free for all, there will also be the added market confusion of a dozen or more new brands, as companies scramble to find their own way of indicating compatibility with the new edition. That is not awesome.

Pelo menos espero que a WotC tenha mesmo um jeito legal de indicar a compatibilidade e reduzir o caos e dispersão. Acho que uma das principais questões aqui, e que foi colocada no fórum interno da RPGNow, é que para editoras que publicam material impresso não ter um logo do d20 na capa faz sim muita diferença, pois os livros muitas vezes contam bastante com sua capa para chamarem atenção dos compradores – e nessa hora a presença do selo de compatibilidade d20 pode ser um fator determinante.

Comments are closed.