WotC anuncia seus planos para a OGL e SRD

A Wizards anunciou hoje seus planos para a liberação da OGL e do documento de referência do sistema D20 (SRD), que será dividido em duas fases.

A primeira, que começa agora em Janeiro de 2008, visa as editoras que querem ter acesso prioritário as regras da 4ª edição, e desejam publicar seus produtos imediatamente após o lançamento dos três livros básicos. Para isso será cobrada uma taxa de $5000 dólares, que inclui as versões atuais dos três livros básicos, SRD, OGL, um guia da licença, um FAQ, updates dos livros e documentos até a data de sua publicação, e o mais importante, o direito de publicar produtos OGL a partir de 1° de Agosto de 2008.

A fase dois começa em 6 de Junho de 2008, com a publicação gratuita da SRD do 4ª edição do Dungeons & Dragons. A OGL será disponibilizada em 1° de Janeiro de 2009, e até lá nenhuma editora, exceto as que adquirirem a licença na fase um, poderá publicar livros utilizando as regras da nova edição.

Russ Morrus cabeça da ENWorld e da EN Publishing esteve presente na reunião feita ontem sobre o assunto com funcionários da WotC e membros de outras editoras, e publicou algumas de suas notas no portal. Destaque para as informações a respeito das novas versões da OGL e SRD:

The 4e OGL will contain some aspects of the old d20 license, and is more restrictive in some areas than the prior Open Gaming License. We are tying the OGL more closely to D&D. There is a free registration process, a community standards clause, enforceability clauses, and no expiration date. Phase One publishers who sign a NDA will have the opportunity to read the OGL before they pay the $5000 early licensing fee.

The 4th edition SRD will be much more of a reference document than the 3e SRD. The current edition contains almost all of the rules and allows “copy and paste” publishing. WotC would prefer to see 3rd party publishers to use their creativity and talent instead of reformatting or slightly changing pre-existing rules. As such, the 4e SRD will contain more guidelines and pointers, and less straightforward rules repetition.

The community standards clause will follow the same spirit as the current version. It will lay out in broad brushstrokes what’s appropriate and what isn’t in a D&D-compatible product. If publishers have any questions, they’re always welcome to ask WotC about specifics. This clause applies to content, and wouldn’t apply to (say) a shoddy or ugly cover. (Note that this is a rare occurrence anyways; according to Scott Rouse, there has only been one case in the last two years where the community standards clause came into effect, and that was amicably resolved.)

In any case, material that’s open under the 3.5 OGL remains open, and there will be no language in the 4e OGL to restrict 3.0 or 3.5 products.

Como já havia sido confirmado, não haverá um selo ou logo indicando compatibilidade com a nova edição do D&D, mas sim uma frase que ainda não foi divulgada. Outra notícia interessante é que o conteúdo Open Source dos suplementos também será adicionado a SRD.

Mas o pior mesmo sobre a OGL é isto aqui:

With the OGL tied more closely to D&D, how would that impact the future impact of games like Spycraft or Mutants and Masterminds – games that in 3e used the core d20 concept but diverged radically from D&D?

The new version of the OGL isn’t as open-ended as the current version. Any 4e OGL product must use the 4e PHB as the basis of their game. If they can’t use the core rule books, it won’t be possible to create the game under this particular version of the OGL.

Future versions of the OGL, including a 4e d20 Modern version, may make certain games possible where they weren’t before.

Parece que a WotC realmente pegou pesado e fechou a porta que antes permitia produtos como Mutants and Mastermind, Spycraft e Conan. Não que estes produtos estejam ameaçados, o próprio Steve Kenson já anunciou que não pretende fazer uma nova edição do M&M tão cedo, assim como acredito que seja com o Conan, que teve uma nova edição recente. Mas exigir que todos os produtos que usem o OGL da 4ª edição tenham o Players Handbook como base é garantir que estes produtos variantes não existam na nova edição.

E sobre esperar até Janeiro de 2009, com essa jogada a Wizards complicou a vida de um monte de gente… nada contra a cobrança dos $5000 dólares, a WotC tem o direito de vender essa licença antecipadamente para as editoras maiores e interessadas, afinal, na terceira edição isso foi feito através de um processo de seleção fechado e meio nebuloso. Mas segurar os lançamentos até 1 de Janeiro foi um golpe que me pegou de surpresa, e certamente muitas outras editoras pequenas e médias. Com certeza isso ainda vai dar muito pano pra manga, e os fóruns privados da RPGNow e DTRPG já estão em chamas…

Pelo menos não vai faltar assunto na reunião de amanhã da Secular.

4 Comentários

O que acha? Tem alguma crítica ou sugestão? Só mandar! Deixe um Comentário

  1. CF disse:

    Eu culpo a Mongoose por isso. Além de não entenderem nada de regras, esses caras adoravam essas picaretagens de copiar o SRD.

  2. Rocha disse:

    Acho que a Mongoose teve uma colaboração hehe. Mas pra mim os responsáveis foram mesmo o Mutants & Masterminds, True 20, Conan, e todos esses livros que não só não precisavam do PH, mas como também eram muito bons e acabaram se tornando linhas paralelas e totalmente independentes dos básicos da WotC.

    A licenca antiga era aberta demais, e infelizmente isso acabou.

  3. Cobbi disse:

    Sem dúvida! A Wizards percebeu que a coisa estava começando a divergir demais da idéia “filhos do D&D” (como Kalamar, Relics & Rituals e Scarred Lands) e começando a criar concorrência das boas!

    Agora o que veremos por aí serão em sua maioria livros de cenários e suplementos (com magias, talentos, aptidões, rols, e classes novas). Nada de livros básicos usando regras 4E.

Trackbacks for this post

  1. |

Comments are now closed for this article.