Saída do Silvio da Dragão Brasil

Ontem o Silvio publicou em seu blog um anúncio sobre sua saída da Dragão Brasil, revista na qual foi editor por três edições devido a indefinição da editora Melody sobre o futuro da revista:

Dragão Brasil – carta aberta aos leitores

Trabalhar com RPG tem sido uma constante em meu currículo. Além de uma diversão saudável e recheada de amigos, o RPG me proporciona um exercício intelectual e uma proximidade com a imaginação que poucos outros trabalhos podem oferecer.

Quando aceitei o trabalho de remodelar a Dragão Brasil, meu objetivo era poder trazer um enfoque mais maduro e mais aberto sobre o RPG e o nosso universo de jogos e jogadores no Brasil. Trazer parte da minha vivência para ajudar não apenas o jogador brasileiro, mas o mercado que vive em torno dele.

O projeto enfrentou dificuldades como qualquer um que se propõe a remodelar e reinventar uma revista. Mas todos os problemas foram superados com determinação, amor à camisa e profissionalismo por parte de todos os envolvidos no projeto. Depois de 3 números e uma indefinição sem fim por parte da editora, eu estou declarando abrir mão do projeto, deixando o cargo de editor da revista Dragão Brasil.

Infelizmente não está sendo possível esperar uma definição e postura da editora em relação ao trabalho e as pessoas envolvidas no projeto. Venho aguardando uma definição da editora que infelizmente não se posiciona enquanto a continuidade ou cancelamento da revista Dragão Brasil.

Meu trabalho e de colegas que colaboram comigo poderão ser à partir deste momento, encontrados em futuras publicações online em meu blog e em participações em outros meios.

Agradeço profundamente a todos os que apoiaram, colaboraram e que de uma maneira ou outra acreditaram que o projeto poderia dar certo.

Agradeço mais ainda à comunidade virtual Drão Brasil no Orkut pelo apoio, críticas, observações e carinho durante todo o trajeto.

Agradeço às publicações virtuais, como Nivel Épico, Vulto Salvador, Beholder Cego, entre tantas.

Agradeço também ao apoio da Moonshadows que sempre acreditou no projeto, na Jambô, Devir, Daemon e em diversos profissionais de várias áreas diferentes que de uma forma ou outra fazem o RPG brilhar no Brasil.

Meu profundo obrigado.

Por um lado é uma pena, já que o Silvio estava fazendo um trabalho interessante ainda que com alguns tropeços como a edição #122. Mas tentando ver alguma coisa de positiva nisso tudo, é melhor que a revista acabe de uma vez do que manter (a falta de) ritmo tosco dos últimos anos, já que desde Julho de 2005 até hoje (31 meses) foram lançadas 12 edições sob duas gestões editoriais diferentes e muita, mas muita incerteza mesmo.

Acho que no fim das contas você pode tentar lutar contra concorrentes, falta de consumidores, a transição das notícias para a internet, e todo o tipo de obstáculo, mas lutar contra sua própria editora têm se mostrado até aqui uma batalha difícil de levar.

Um Comentário

O que acha? Tem alguma crítica ou sugestão? Só mandar! Deixe um Comentário

  1. Alahan disse:

    Caraca, até hj estou curioso pra saber o que aconteceu, qual foram as tretas do antigo pessoal da DB (principalmente o trio tormenta), com a editora para terem saído e montado a Dragon Slayer,e a propósito, a DB nova era uma porcaria, mas é uma pena, pois deveria ter mais revistas sobre rpg no Brasil.
    Vivas a Cassaro, Trevisan e Saladino!!!

Comments are now closed for this article.