A GSL e SRD foram lançadas!

Essa noite foram publicadas no site da Wizards a Game System Licence (GSL) e o System Reference Document (SRD). Como os documentos possuem muitas páginas, e a escrita de advogado não ajuda, vou postar aqui minhas primeiras impressões de uma leitura rápida, mas que deve ter passada desapercebida sobre um monte de detalhes e picuinhas legais importantes.

Sobre a GSL:

  • Websites, miniaturas e programas de criação de personagens não são produtos válidos segundo a licença. Adeus SRD online.
  • Os produtos que seguem a GSL não podem conter descrição de como criar personagens ou avançá-los de nível, igual na licença d20 antiga
  • O produto não pode conter a expressão “Core Rules” ou “Core Rulebook” em sua capa ou campanha promocional. Como era esperado, a GSL foi elaborada para não permitir os jogos stand alone baseados no D&D, como Iron Heroes e Mutants & Masterminds.
  • É proibida a reprodução de qualquer trecho dos livros básicos (isso inclui imagens) que não estejam na SRD. Apesar desta cláusula já existir na licença antiga, como veremos adiante a SRD é muito mais restrita, o que aperta e muito o cerco apresentado neste trecho da GSL.
  • A WotC pode terminar a licença atual a qualquer momento sem aviso prévio. É claro que isso só vai ocorrer quando sair uma nova edição, mas ainda assim, se é algo meio assustador para mim que tenho bem poucos dígitos em jogo com a Secular, imagino para os caras que estão falando de dezenas de milhares de dólares em livros estocados…

Sobre a SRD:

  • Trocentos monstros clássicos ficaram de fora: demônios, capetas, drows, slaad, beholders, yuan-ti, mind flayers, e o tarrasque são alguns deles.
  • Pelo que eu entendi você não pode modificar ou redefinir nada que esteja na SRD. Assim não são permitidas novas versões do Clérigo ou do Mago, assim como uma nova estatística para o Goblin Warrior ou para qualquer ritual ou poder já existente. Por outro lado você pode criar novos destes elementos, desde que não usem os nomes dos existentes na SRD.
  • Como dito na OGL, é proibida a reprodução de qualquer trecho dos livros básicos que não estejam na SRD. Só que na SRD estão só os nomes das raças, classes, poderes e talentos. Moral da história, se sua aventura tem alguns goblins warriors, você tem que escrever apenas: Monsters (see the D&D 4E Monster Manual) – 3 goblin warriors. O mesmo se aplica para poderes, que devem ser citados no seguinte modelo: Adamantine Strike (Level 27 Fighter Encounter Attack Exploit; see the D&D 4E Player’s Handbook). Ou seja, o uso de produtos de outras editoras que não a Wizards vai ser acompanhado de uma constante, e muito chata, referência aos livros básicos.

No geral eu não gostei mesmo, em especial da SRD. Já sabia que não teríamos uma SRD e licença tão abertas quanto da 3ª edição, mas algumas das coisas parecem ter ficado restritivas demais. A SRD é nada mais que um grande template onde as editoras vão encaixar seu material, com um formato bem rígido, e a impossibilidade de alterar o que está apresentado no documento – sejam classes, raças, talentos, poderes ou rituais é um engessamento absurdo que por si só já mataria mais da metade dos livros que existem no mercado hoje em dia.

Se até aqui eu estava otimista com a 4ª edição, agora eu acho que a coisa muda um pouco de figura, pois ficou claro que dificilmente teremos um mercado de livros tão ricos e interessantes como os que surgiram na 3ª edição, mesmo considerando apenas o que foi publicado sob a licença d20. Por que considerar o que saiu pela OGL já seria até covardia…

6 Comentários

O que acha? Tem alguma crítica ou sugestão? Só mandar! Deixe um Comentário

  1. valberto disse:

    Não posso dizer que eu não esperava por isso. Li em algum lugar – maldita memória – que um dos idealizadores do 4.0 deixou escapar que a farra da OGL estava chegando ao fim. Uma pena. Grandes cenários nacionais e até mesmo propostas de cenários jamais verão a luz do dia pela nova licensa.
    É por isso que eu vou continuar com a licensa 3.x e muito obrigado.

  2. Chuck disse:

    Seria a nova GSL o ‘fim da história’ para essa maravilhosa era de open gaming? :(

  3. Gilson disse:

    Do ponto de vista comercial/mercadológico achei uma bizarreira a liberação que fizeram na OGL. Talvez numa arrogaância desvairada a empresa tenha acreditado que outras não poderiam criar material melhor que o deles, pelo menos atendendo outras preferências de consumidores.

    Realmente a GSL não surpreende nada, estão curando o ferimento que fizeram atirando no próprio pé.

    Ainda bem que ainda existe a outra licensa, OGL, que cheia de folgas ainda permitirá ótimos e inovadores produtos de outras empresas, como Mutants & Msterminds por exemplo.

    Gilson

  4. Rocha disse: (Author)

    Ainda bem que ainda existe a outra licensa, OGL, que cheia de folgas ainda permitirá ótimos e inovadores produtos de outras empresas, como Mutants & Msterminds por exemplo.

    Acredito que nas próximas semanas um monte de opções a GSL, baseadas na OGL, vão aparecer por ai, inclusive no Brasil…

  5. Gilson disse:

    Acredito que nas próximas semanas um monte de opções a GSL, baseadas na OGL, vão aparecer por ai, inclusive no Brasil…

    Pode crer. A OGL deve durar muito ainda, é como um Linux.

    Gilson

Trackbacks for this post

  1. E sai a versão revisada da GSL! - Parte 1 |

Comments are now closed for this article.