Transcrição de uma conferência sobre os lucros da Hasbro (ou algo assim…)

(Antes de tudo um aviso. Eu sou um grande leigo em termos de negócios em geral. E o post a seguir estará cheio deles, então qualquer vacilo me avisem por favor ok? E sim, mesmo sendo uma entrada meio incompleta ela conta como um dos 20 posts em 10 dias seu sabichão!)

Joethelawyer (ótimo nick!), usuário da ENWorld, postou uma longa transcrição de uma espécie de reunião sobre os lucros da Hasbro ocorrida em 21 de Julho deste ano. A parada é longa o suficiente para eu não copiar aqui (mais exatamente 7996 palavras), e cheia de coisas não muito interessantes. Na verdade um dos pontos de interesse é justamente o fato do D&D sequer ser citado na reunião, mesmo esta tendo acontecido apenas algumas semanas após o lançamento da 4ª edição. As únicas referências a Wizards of the Coast são sobre o card game Duel Masters, que esta vendendo muito bem no Japão e a iniciativa digital da editora.. Outra coisa curiosa é a referência ao início das operações da Hasbro no Brasil.

Joethelawyer continuou o post com mais alguns trechos de conferências antigas, e novamente foi dito algo sobre o Brasil, especificamente em Fevereiro deste ano:

ARGARET WHITFIELD: In your comments, I think David, you were referring a lot to the full year numbers. Could you give me some color on why the operating profit in North America was down 22% but it was up 40% overseas?

DAVID HARGREAVES: Yes. I think in the U.S. in particular, A, we were trying to anniversary a very strong fourth quarter last year. I think what happened last year is that we ended up exceptionally clean in terms of obsolescence in terms of markdowns. In the fourth quarter of last year, we reversed some reserves. That said, this year also included a number of items of investment spending. We are spending against a start-up in Brazil, a start-up of our own company. We have certainly been — kept the advertising going throughout the full quarter in order to make sure we drove very clean retail position and we have also been investment spending in the Wizards of the Coast online initiative. So I think those were factors that meant the operating profit in North America were low in the fourth quarter.

E sobre a Wizards, sua iniciativa digital, Magic e o finado Gleemax:

AL VERRECCHIA: Good morning.

THOMAS RUSSO: Good morning. Al, actually, on the comments relating to the investment spending at the moment of Wizards, with their online offering, I’m curious as to how you will go about developing that product and whether it falls into the EA online relationship? And then speaking as well about your online activities in particular as it relates to the virtual world that others in the toy industry have created for their children audience with abundant chance for the kids to spend lots of ongoing money. What’s your role in the virtual gaming area and then also what’s your plan for spending the money on developing wizards?

AL VERRECCHIA: In terms of Wizards, let me start by — I think you know that Magic:Online has been up and running for a number of years now. Some of the money we’re spending is to improve that, the technology that supports that offering. And then we’re also investing in something we called Gleemax which was an online gaming site for people who not only play Magic but are really involved in gaming in general. It’s a site that will have — it’s more of a building a community of game players. There will be the opportunity to play games. There will be the opportunity to communicate with other game players. It’s a place where people can go, who are really interested in what we would call hobby or niche games. We’re spending a fair amount of money in that regard and that site’s probably, while it’s up now, will be continuing to add games and new features to it throughout the year. In terms of the virtual world for children, I’ll let David talk about the VIPs, which were recently launched and we’re starting to go nationwide with that.

É parece que muitas fichas estavam colocadas no Gleemax, embora boa parte dessas expectativas e investimento talvez possam ter sido realocados no D&D Insider e Magic Online. E ficou meio explicito que por maior que o Dungeons & Dragons seja dentro do nicho dos Role Playing Games, ele não é nada comparado a Star Wars, Transformers, produtos da Marvel e card games no que tange a renda da Hasbro. O que pode ser uma boa coisa, já que teoricamente é sinal de uma menor interferência da mega-corporação nos rumos do jogo.

E a entrada da Hasbro no Brasil? Procurei mais coisas sobre isso, mas meu google-fu não deu conta do recado. É extremamente improvável que isso tenha algum efeito em nosso mercado de RPG, mas ainda assim, será que eles começarão a vender brinquedos diretamente, sem serem licenciados pela Grow, Estrela e outras empresas?

E finalmente – alguém pegou algo a mais que o Capitão Óbvio aqui?

2 Comentários

O que acha? Tem alguma crítica ou sugestão? Só mandar! Deixe um Comentário

  1. Phil Souza disse:

    Putz Rocha. Tenho tantos feeds que só agora percebi que você mudou o endereço do seu RSS. No meu Google Reader sua ultima atualização está datando Abril desse ano…

    Eu sempre passo por aqui direto por isso percebi só agora. Se você não lembra de nenhuma alteração do seu rss dessa época pode ser que alguém ache que o Área Cinza não anda atualizando… Alguém desatento igual a mim obviamente… :D

  2. Rocha disse: (Author)

    Putz Rocha. Tenho tantos feeds que só agora percebi que você mudou o endereço do seu RSS. No meu Google Reader sua ultima atualização está datando Abril desse ano…

    Opa Phil, em Abril eu mudei o AC para um servidor próprio, e ai tive que alterar algumas coisas. Deve ter ficado perdido nisso : (

Comments are now closed for this article.