Uma semana dos diabos

A semana passada foi a mais caótica e agitada dos últimos meses, e teve de tudo – mega reuniões de trabalho, viagem, correria para terminar um artigo (não de RPG, mas do mundo real) e mandar para ser publicado, enfim, todas essas coisas que são importantes pra caramba, mas que me mantiveram ocupado 20 horas por dia e sem nenhuma chance de postar por aqui. Na real, odeio quando isso acontece!

Vou tentar correr um pouco atrás do prejuízo, e o primeiro passo vai ser colocar por aqui as coisas legais que aconteceram nesses 7 dias que eu gostaria de ter comentado, mas que outros companheiros de blog fizeram de maneira excelente!

O primeiro deles foi o artigo Death Matters do Design & Development da Wizards que trata o polêmico tema da mortalidade dos heróis na 4ª edição do Dungeons & Dragons. O Anand do Rolando 20 fez um comentário muito legal do artigo, em especial sobre a diminuição da importância da morte no D&D e com algumas sugestões de como mudar isso, é claro, restringindo o uso do ritual raise dead.

Outra coisa que eu queria muito ter comentado, e acho que ainda vou fazer isso apesar do atraso, é especular (opa!) um pouco sobre os efeitos da crise financeira no mercado de RPG nacional. O Nume do .20 fez comentários muito interessantes baseado em uma fala do Guilherme da Jambô, que trás para a discussão os pontos nos quais a alta do dólar dificulta o trabalho das editoras brasileiras, uma parada que quase nunca é discutida “a céu aberto”. Muito bom!

Finalmente o próprio Nume me linkou em um Meme bacaninha, que usa o Wordle para criar uma nuvem estilosa de tags. Agora vou deixar com o Trevisan para continuar a contaminação da parada! O resultado do Área Cinza foi:

E amanhã vou postar minhas impressões sobre o preview do Martial Power, o paragon path Polearm Master.

6 Comentários

O que acha? Tem alguma crítica ou sugestão? Só mandar! Deixe um Comentário

  1. Gilson disse:

    Esse negócio de morte ficou parecendo revista da Marvel, onde os mortos sempre voltam.

    Gilson

  2. Nume disse:

    Pois é. Morreu? Paga 650 PO que tu volta da morte e espere quatro horas pela viagem de volta do mundo dos mortos (que na 4E parece ser uma enorme fila de espera pela ressureição).

  3. Daniel Anand disse:

    @Gilson e Nume: Isso só acontece se vocês quiserem que isso aconteça na campanha de vocês. Vocês leram os artigos linkados no post?!

  4. Nume disse:

    Sim, eu li. Só estava fazendo uma piada.

    Mas o esquema é que eles trocaram o padrão da coisa. Na 3E o padrão era ressureição mais ou menos acessível, com variações para mais ou para menos. Na 4E eles deixaram no máximo de acessibilidade e se o mestre quiser pode regular para baixo.

  5. Gilson disse:

    Sim, eu li também. Por essa e por outras que prefiro Gurps.

    Gilson

  6. JMTrevisan disse:

    Hmm…tentei abrir a pagina aqui, mas nada feito.

Comments are now closed for this article.