O Bardo aparece na 4ª edição! – Parte I

A primeira coluna Ampersand desde que o D&D Insider se tornou um serviço pago trás nada mais nada menos que um preview do bardo que será apresentado definitivamente no Player’s Handbook 2, a classe que todo mundo adorava zoar na 3ª edição, mas que na mudança para a nova edição do Dungeons & Dragons se tornou um verdadeiro mártir ao ser substituído pelo Warlord.

“The clash of blades, a note.
A battle fought, a verse.
The hero’s war, a song.”

Correspondendo ao que muitos especulavam o bardo é um líder arcano, que tem como principais atributos Carisma, Inteligência e Constituição. Como nos velhos tempos o bardo parece um misto de ladino com mago, e se aproxima mais do primeiro no quesito Pontos de Vida, com o mesmo número de PVs no 1° nível, ganhos por nível e 7 healing surges, uma a mais! Ele é proficiente com mais armas e armaduras que o ladino, além de poder usar os implementos das varinhas, e ter uma lista de pericias parecida com a do ladino, mas expandida e com a adição óbvia de Arcana. Contra o que alguns esperavam, a lista de pericias não contém Atuação ou alguma coisa parecida.

BARD OVERVIEW

Characteristics: Your powers are a mix of ranged, melee, and close attacks, giving you plenty of options whether you choose to lead from the front or the rear. Your attacks can provide bonuses and extra movement to you and your allies, or they can charm and deceive your enemies.

Vamos as habilidades da classe então. Bardic Training dá ao personagem o talento Ritual Caster, e algumas vantagens ao invocar rituais de bardo (sim, teremos novos rituais!). Bardic Virtue possuí duas opções que devem ser escolhidas de acordo com o build do personagem Virtue of Cunning, que permite uma vez por rodada, sempre que um inimigo errar um ataque conta um aliado próximo, mover este aliado 1 quadrado como uma ação livre; e Virtue of Valor, que permite dar Pontos de Vida temporários a um aliado próximo que derrubou um inimigo. Virtue of Cunning se destaca por poder ser usado uma vez por rodada como uma ação livre, deixando o Warlord com inveja de seus poderes de movimentação dos amigos!

Multiclass Versatility permite ao bardo escolher talentos de Muticlasse de diversas classes, o que eu queria ver na prática como funciona, um bardo com 5 talentos destes, cheio dos poderes de outras classes parece muito foda! Na mesma linha do “faz tudo” Skill Versatility fornece um bônus de +1 nos testes de pericias destreinadas, o que somado ao talento Jack of all Trades pode resultar em um excelente bônus de +3 nas pericias que o bardo não possui.

Song of Rest é uma habilidade de classe que faz com que as melodias tocadas pelo bardo enquanto seus aliados descansam aumentem ainda mais a efetividade da cura, economizando algumas healing surges. Majestic Word e Words of Friendship são dois poderes da classe, o primeiro é um poder que assim como o Healing Word do clérigo pode ser usado duas vezes por encontro, e que cura seus aliados na área de um burst 5 (que aumenta para 10 e 15 a cada 10 níveis). O segundo poder também é por encontro e de uso pessoal apenas, fornecendo um bônus de +5 no próximo teste de Diplomacia do bardo.

A extensa parte de habilidades da classe ainda fala dos implementos, e além das conhecidas varinhas, cita as novas Songblades e instrumentos musicais mágicos, que estarão no capítulo 3 do Player’s Handbook 2.

O único build apresentado no preview é o do Cunning Bard, focado na Inteligência e habilidades que a utilizam, embora o ataque de praticamente todos os poderes seja baseado no Carisma. Certamente teremos outro build no PH2, do bardo carismático, e acho que embora improvável, seria muito legal um build do bardo faz-tudo, cheio de talentos de multiclasses e poderes quebra-galhos. Se não tiver isso eu mesmo faço um!

Infelizmente vou ter que dividir o post em duas partes, tenho que correr para o trampo. Essa noite (ou madrugada, o que é mais provável), subo a segunda parte falando especificamente dos poderes do bardo até o nível 10, até onde o preview vai. Até lá!

16 Comentários

O que acha? Tem alguma crítica ou sugestão? Só mandar! Deixe um Comentário

  1. Bocão disse:

    Bacana Rocha, ótimo review!

  2. Chuck disse:

    que ótimo heim? um bardo que não tem uma skill pra tocar instrumentos, cantar e afins… muito bom mesmo!

  3. Salve! Acabei de esbarrar com teu blog por acaso e me amarrei nele. Parabéns e continue com o bom trabalho!

  4. Rocha disse: (Author)

    Bacana Rocha, ótimo review!

    Salve! Acabei de esbarrar com teu blog por acaso e me amarrei nele. Parabéns e continue com o bom trabalho!

    Opa valeu Bocão e Eduardo, aliás seja bem vindo cara!

    que ótimo heim? um bardo que não tem uma skill pra tocar instrumentos, cantar e afins… muito bom mesmo!

    Pelo que entendo ele não precisa de uma perícia para tocar instrumentos… Nem me incomoda isso, assim como os aventureiros em geral não precisam de uma perícia para correrem, fazer cálculos e por ai vai. O problema para mim aparece em cenas e situações em que o sucesso em cantar/tocar instrumentos/ fazer qualquer performance artística seriam determinantes do seu resultado. Ai sim, as pericias fazem falta.

    Mas dentre as pericias, o mártir pra mim é o Craft.

  5. é rocha, como esse danado de craft faz falta. Estou pensando em criar algo, baseado nas regras de alquimia do AV.

    Quanto ao tocar instrumentos, acho q não irá fazer falta realmente. Acho q um teste de diplomacia pode rolar na hora para ele saber o q deve tocar e só, afinal de contas o cara passou a vida toda aprendendo a tocar :p

  6. Diego disse:

    Assim como lamento não ter as perícias: Disfarces, Falsificação, Adestrar Animais e o já citado Ofícios.

    Pra mim e meu, a 4th já deu o que tinha que dar, investimento perdido, estamos voltando pra 3.5. E vms adaptar o que acharmos que a 4th veio a acrescentar.

  7. Raul disse:

    Assim como lamento não ter as perícias: Disfarces, Falsificação, Adestrar Animais e o já citado Ofícios.

    O pessoal andou lendo bem os livros ai…

    Disfarces e Falsificação ta dentro de Bluff, Adestrar Animais ta em Nature. É só ler a descrição da skill.

  8. hmmm

    Disfarce até entendo está em bluff, mas falsificação não acho, tudo bem q o kra precisa ser cara de pau para apresentar algo falsificado, mas o trabalho principal é de quem falsificou, que acho mais vinculado com a pericia thievery.

  9. Diego disse:

    Disfarces e Falsificação ta dentro de Bluff, Adestrar Animais ta em Nature. É só ler a descrição da skill.

    Hauhauhauah… :P O sistema de perícias (treinada/não treinada) não me desceu a garganta e de fato não li as perícia a perícia, apenas passei os olhos numa ou outra perícia. Por sinal Bluff e Nature eram duas delas.

    Mas então diz, aê… faz falsificação com Bluff tb??!

  10. Diego disse:

    Hauhauhauah… :P O sistema de perícias (treinada/não treinada) não me desceu a garganta e de fato não li as perícia a perícia, apenas passei os olhos numa ou outra perícia. Por sinal Bluff e Nature eram duas delas.

    Duas delas que deixei de ler.

  11. Raul disse:

    Hauhauhauah… :P O sistema de perícias (treinada/não treinada) não me desceu a garganta e de fato não li as perícia a perícia, apenas passei os olhos numa ou outra perícia. Por sinal Bluff e Nature eram duas delas. Mas então diz, aê… faz falsificação com Bluff tb??!

    Espero não estar ferindo a GSL, porque senão os Hell Lawyers da Wizards me matam, mas segue abaixo a descrição de Bluff:

    You can make what’s false appear to be true, what’s outrageous seem plausible, and what’s suspicious seem ordinary. You make a Bluff check to fast-talk a guard, con a merchant, gamble, pass off a disguise or fake documentation , and otherwise tell lies

    Pelo que eu entendi da pra usar bluff pra se disfarçar ou falsificar um documento.
    Sobre o craft eu vou ser bem sincero, não gosto da idéia de perder essa possibilidade, mas praticamente nunca vi o uso da perícia em jogo. Ao menos quando eu mestrava / jogava, as sessões tinham uma cronologia corrida, e dificilmente sobrava tempo para usar essas perícias que chegavam a demorar dias para finalizar.

  12. Diego disse:

    Pelo que eu entendi da pra usar bluff pra se disfarçar ou falsificar um documento.Sobre o craft eu vou ser bem sincero, não gosto da idéia de perder essa possibilidade, mas praticamente nunca vi o uso da perícia em jogo. Ao menos quando eu mestrava / jogava, as sessões tinham uma cronologia corrida, e dificilmente sobrava tempo para usar essas perícias que chegavam a demorar dias para finalizar.

    Vlw pelo esclarecimento e pelo visto é isso mesmo. Blefar é usado pra tudo que envolva a arte da enganação, o duro é quebrar o paradigma de Falsificação ser baseado em CAR. O.o

    No mais… pelo visto só perdemos Ofícios mesmo, e meu primeiro personagem da 4th, um Ranger Anão Armeiro (Que só é Ranger pq, os Guerreiros de Duas armas só vêm no PH2), é tão bom forjando armas como qualquer outro. :P

  13. Diego,

    Só uma correção,

    O guerreiro com duas armas estará disponível no Martial Powers q será lançado na semana q vem, e não no PH2 (que não terá nada para as classes Marciais).

    Quanto a sua questão do Armeiro, existe um artigo na Dragon eu acho sobre background, onde cada personagem escolheria um beneficio que mais estaria ligado a sua história, um desses benefícios seria o kra forjar itens. A propósito, se seu mestre permite que todos os personagens da mesa forjem itens, é um erro dele, o livro deixa claro que isso é de acordo com o background, o kra simplesmente sabe fazer ou não.

    As Obras primas continuam lá, mas com outro nome e com um “Q” de magia.

  14. Diego disse:

    Quanto a sua questão do Armeiro, existe um artigo na Dragon eu acho sobre background, onde cada personagem escolheria um beneficio que mais estaria ligado a sua história, um desses benefícios seria o kra forjar itens. A propósito, se seu mestre permite que todos os personagens da mesa forjem itens, é um erro dele, o livro deixa claro que isso é de acordo com o background, o kra simplesmente sabe fazer ou não.

    Vlw, foi falha minha aki, tava sabendo disso, só que acabei me confundindo com os livros.

    Quanto à matéria da Dragon, não tinha conhecimento, mas ainda curtia mais quando tinha um número pra provar o quão bom eu era. ^.^

  15. rsemente disse:

    O que mais gostei do bardo foi a capacidade de curar na hora do descanço, no mais, tudo mais ou menos…

  16. Raul disse:

    Vlw pelo esclarecimento e pelo visto é isso mesmo. Blefar é usado pra tudo que envolva a arte da enganação, o duro é quebrar o paradigma de Falsificação ser baseado em CAR. O.o

    Pense que o carisma não é o atributo essencial para falsificar o documento, mas sim para passar ele pra frente sem suspeitas. o carisma seria a diferença entre o cara que entrega o documento falso com o maior sorriso sem vergonha na cara e aquele que treme, começa a suar frio e acabam percebendo a falsificação pelo nervosismo do personagem.
    Inclusive, para ligar o assunto ao tema do artigo, acho que um bardo trambiqueiro que faz rolos e negócios por todas as vilas em que passa deve ser um personagem bem interessante de se jogar.

Comments are now closed for this article.