O fim da WizKids e a crise de verdade

Como todos que não passaram os últimos 2 meses em Marte sabem, a economia norte-americana entrou recentemente em sua maior crise financeira dos últimos anos, e os efeitos disso começaram a serem sentidos na indústria de jogos. A empresa de jogos colecionáveis WizKids teve o fim de suas operações anunciado ontem.

Criada em 2000 por Jordan Weisman, veterano de outra empresa de jogos, a FASA, a WizKids logo se tornou famosa pelo jogo de miniaturas colecionáveis Mage Knight e foi adquirida em 2003 pela Topps, empresa especializada na produção de cads de esportes, verdadeiras manias nos Estados Unidos. Na ciranda de compras por empresas maiores, foi a vez da Topps ser engolida em 2007 pela The Tornante Company de propriedade do antigo CEO da Disney, Michael Eisner.

Em 2008 o produto mais popular da WizKids era o HeroClix, jogo de miniaturas colecionáveis que utilizava a licença de personagens famosos da Marvel, DC, Darkhorse e outras editoras de quadrinhos. Até o Monte Cook já um dos primeiros sets de miniaturas de HeroClix em 2002! Segundo o chefão da Topps Scott Silverstein, a decisão pelo fim da WizKids ocorreu devido as difíceis condições econômicas, contexto no qual a empresa decidiu alinhar suas iniciativas com as já existentes linhas de produtos esportivos da Topps. Neste mesmo pronunciamento, ele disse que a Topps está “procurando estratégias alternativas para que as marcas viáveis, incluindo o HeroClix continuem sem maiores interrupções”.

A principal dúvida agora é que empresa vai continuar estes produtos, e existem basicamente três cadidatas – a nossa conhecida Wizards of the Coast, que tem uma boa experiência com licenças de outras empresas e já possui uma parceria com a Lucas Arts, o que possibilitaria a continuidade do Star Wars Pocket Model Game da WizKids, porém como sabemos a empresa recentemente reformulou completamente o D&D Miniatures para torná-lo mais atrativo aos jogadores do Dungeons & Dragons. Outras possibilidades são a Upper Deck, que lança hoje seu World of Warcraft Miniatures Game e a Privateer Press, menor das três empresas e que tem como revés o fato de nunca ter lançado um produto licenciado.

Acho que agora, depois de tantos anos, podemos falar oficialmente de crise no mercado de RPG, causada não obviamente pelos efeitos de uma crise econômica maior e que atingiu praticamente todos os setores da economia norte-americana.

6 Comentários

O que acha? Tem alguma crítica ou sugestão? Só mandar! Deixe um Comentário

  1. Daniel Anand disse:

    Só espero não ficar ouvindo "eu-te-disse" de certos moderadores de portais… ;)

  2. rsemente disse:

    Todos sabemos que uma crise, assim como uma tempestade, é antecedida por uma calmaria (Ou será mais um mito estúpido?). Será que algum reboliço econômico poderia ser sentido, por alguém, há algum tempo?
    Para ter certeza dessa resposta só lendo mentes :P

  3. Raul disse:

    Muito embora seja uma noticia ruim a princípio, não posso deixar de ficar contente com a possibilidade do retorno de Mage Knight nas mãos de alguma outra empresa, já que o fim de D&D Miniatires acabou por deixar, de certa forma, um buraco num nicho que MK pode vir a preencher.

  4. Jagunço disse:

    Embora cara-de-pau seja uma perícia de classe pra quase todo mundo, acho que um "eu-te-disse" nesse caso seria o cúmulo da profetização de esquina.
    No meu entender as "análises" anteriores não tem relação alguma com a crise no mercado financeiro (mesmo sabendo que, há gente pra tudo, inclusive pra querer ganhar medalha com associações estranhas…)
    Torço pra que nenhuma viva-alma se atreva a esse papel besta.
    Abraços.

  5. cochise disse:

    nem tanto…
    Miniaturas não são RPG.
    O problema das miniaturas é o preço delas… Já viu aquele cara que gaste um nota em cardgame (magic principalmente) as miniaturas são mais caras.
    não creio que já seja o caso de uma crise no mercado de RPG. Apesar dos livros individualmente serem mais caros o consumo final com as miniaturas é muito maior.
    Mas podemos ver claramente uma retração do poder de consumo no mercado de entretenimento.
    Creio que quem vai sair ganhando são as editoras que lançam em PDF ou as que trabalham com POD.

  6. valberto disse:

    Fico triste com essa situação. A Wizkids era uma empresa que trabalhava com um bom atendimento para os fãs. A crise é inexorável e o ramo dos superfulos será o primeiro a sofrer seus resultados.

Comments are now closed for this article.