A estréia da 4ª edição no Brasil

Notícia atrasada, mas ainda assim importante! Nesta semana, mais especificamente no dia 14, a Devir lançou o primeiro produto da 4ª edição do Dungeons & Dragons em português, a aventura Fortaleza no Pendor das Sombras, ou seja, a boa e velha Keep on the Shadowfell. Abaixo o texto de divulgação no site da Devir:

Fortaleza no Pendor das Sombras

Uma aventura introdutória para D&D 4ª Edição

A aventura Fortaleza no Pendor das Sombras apresenta a nova edição de Dungeons & Dragons — o RPG mais clássico de todos os tempos com um sistema muito mais moderno e dinâmico. Ela inclui as regras essenciais para que os veteranos possam conhecer a 4ª edição e os novos jogadores possam ingressar nas fantásticas aventuras do RPG.

A Trama

A cidade do Abrigo do Inverno é um posto de vigia para uma fortaleza arruinada, outrora um baluarte do bem no reino. Essa fortaleza protege a entrada para a Greta Sombria, uma cicatriz negra sobre a face do mundo que já serviu como um portal para o Pendor das Sombras, mas está inativo há décadas. Agora, um clérigo maligno de Orcus, o Senhor dos Mortos-Vivos, está tentando reabrir o portal — e o único obstáculo capaz de detê-lo é um pequeno grupo de bravos heróis!

A Fortaleza no Pendor das Sombras é uma aventura repleta de mistérios e combate para Dungeons & Dragons, desenvolvida para personagens de 1º a 3º níveis. Ela inclui um Guia Rápido de Jogo, com as regras essências da 4ª Edição de D&D, três mapas de dupla face quadriculados para usar com miniaturas e um livro de aventuras com 80 páginas.

O custo foi uma grande bola dentro da Devir – R$43,00 por 80 páginas de aventura, um folheto com as principais regras da nova edição e três mapas é um preço mais que camarada. Por esse preço é um produto perfeito tanto para colecionadores, como para aqueles interessados em testarem a 4ª edição antes de adquirirem os três livros básicos. O prazo de lançamento também foi quase respeitado, afinal a aventura havia sido prometida para Dezembro, então um mês de atraso, contrariando as expectativas negativas que muitos ainda tem sobre a editora.

Sobre a aventura propriamente dita, joguei a versão em inglês  (relatos aqui e aqui) e não achei grandes coisas. Um grande foco em combate, NPC’s sem personalidade e um clima de falta de inspiração generalizado, que implora por um mestre criativo para tornar a aventura memorável. Claro, a base está lá, mas se eu tiver que gastar horas do meu tempo antes de cada sessão para tornar a aventura menos genérica e repetitiva, qual o sentido de ter escolhido mestrar uma aventura pronta em primeiro lugar? De qualquer forma, é  muito legal ver a Devir seguindo o mesmo plano feito pela Wizards lá fora na introdução à 4ª edição, e lançando algo por aqui apenas uns 6 meses depois que na gringa. Agora é manter o ritmo e liberar logo os livros básicos!

Comments are closed.