Livros da Wizards em PDF proibidos. E agora?

Como prometido mais cedo, vou tentar analisar as possíveis repercussões e motivos que levaram a Wizards of the Coast a decretar o fim da venda de seus livros em formato eletrônico. Como vimos no post anterior, o argumento apresentado por um funcionário da WotC nos fóruns da ENWorld foi o da pirataria:

Hey all. I wanted to step in and shine a mote of light on the subject. First off, this cesation of PDF sales has absolutely nothing to do with the Internet Sales Policy. I know it’s the 6th of April and I can definitely see how the two would appear linked, but the truth is, this is a completely seperate matter.

Unfortunately, due to recent findings of illegal copying and online distribution (piracy) of our products, Wizards of the Coast has decided to cease the sales of online PDFs. We are exploring other options for digitial distribution of our content and as soon as we have any more information I’ll get it to you.

Eles até fizeram uma gracinha meio RIAA, que acredito que tenha sido divulgada em tempo de bancar essa justificativa, movendo ações na Justiça contra oito pessoas acusadas de piratearem o Player’s Handbook 2. Mas como muitos leitores perspicazes apontaram nos comentários, qual a lógica de acabar com a pirataria proibindo todo e qualquer tipo de comércio de livros em formato eletrônico da editora? Não seria isso o proverbial “jogar fora o bebê junto com a água do banho“? E mais, se a idéia era dificultar a vida dos piratas (haha…), porque não encerrar a venda das versões eletrônicas apenas dos livros da 4ª edição do Dungeons & Dragons, e faturar uns trocados, com pirataria ou não, com livros que não são mais impressos e que agora não podem mais ser adquiridos legalmente de nenhuma forma? Isso em algum sentido não incentiva a aquisição ilegal de livros das edições anteriores do D&D?

Todas essas são ótimas perguntas, e apontam para a conclusão mais óbvia – a pirataria não foi o fator determinante desta decisão. Até porque, como o Garrell lembrou muito bem nos comentários do outro post, boa parte dos vazamentos de livros da 4ª edição, alguns até antes de seu lançamento oficial, ocorreu através de gráficas ou pessoas próximas a elas, já que os arquivos possuem as marcas de cores e de corte em suas páginas.

De qualquer forma, se a pirataria não parece exatamente ter sido o maior motivo desta decisão por parte daWizards, talvez uma boa pista seja este anúncio de uma nova política para vendas online da editora feito em Março:

In conjunction with the Retailer Rewards program, Wizards of the Coast will also release a new Internet Sales Policy on April 6. The new policy will have clear guidelines for online sales of Wizards’ product, and requires that retailers register with Wizards by signing an Authorized Internet Dealer Agreement.

For more information about the Internet Sales Policy and to become an Authorized Internet Dealer, you can contact a Wizards of the Coast Merchant Relations representative by calling 800-821-8028 or by emailing retailerhelp@wizards.com. You can access the Authorized Internet Dealer Agreement by visiting www.wizards.com/retailer.

6 de Abril, tipo ontem né? Como vocês leram ali em cima, nosso amigo Trevor da WotC, o mesmo que afirmou que a decisão da editora foi motivada pela pirataria disse também que o fim das vendas dos PDFs não tem absolutamente nada a ver com a nova política de vendas online, mas eu não apostaria meus suados reais nisto. Desconsiderando um pouco o post do funcionário da Wizards, o trecho acima nos indica ou que as atuais lojas virtuais, como a RPGNowPaizo não concordaram com a nova política e assim estão fora dos planos de venda em formato eletrônico da WotC, o que é altamente improvável devido ao volume de vendas dos livros da editora. Ou então que a Wizards of the Coast está movendo seus pauzinhos para começar a vender em sua própria loja virtual todo seu catálogo. E é aí que eu apostaria meu dinheiro.

Wizards também é a maior jogadora no mercado eletrônicos de livros de RPG, e realmente não faz muito sentido para eles perderem boa parte de seu lucro para lojas virtuais. Uma editora pequena ou mesmo média se beneficia de uma loja que centraliza milhares de lançamentos de centenas de editoras, afinal o público potencial se encontra aglomerado ali e pode mais facilmente encontrar e se interessar por seu produto. Mas isso não funciona da mesma forma para uma empresa que é líder do mercado e que é dona de uma marca que é sinônimo de RPG como o Dungeons & Dragons.

E de quanto é essa perda atual da Wizards com a venda através das lojas virtuais existentes? A OneBookShelf, empresa que é dona tanto da RPGNow como da DriveThruRPG cobra 30% de cada livro vendido para editoras que vendem seus produtos em outros sites, e 25% daquelas que vendem apenas nestas duas lojas. Por seu tamanho e volume de vendas, definitivamente a WotC deve ter um acordo melhor, que acho que podemos estimar com alguma segurança que deve girar na casa dos 20% por cada livro vendido.

Minha teoria é que eles simplesmente fizeram as contas na ponta do lápis. Quanto dinheiro “perdiam” por mês para as lojas eletrônicas, contra quanto custaria montar uma loja própria, que ainda pode ser integrada ao D&D Insider e tal. Não me parece mesmo um cálculo ruim, afinal eles já tem a marca, os consumidores, e de certa forma até a estrutura de um site e uma comunidade virtual. Só faltava mesmo juntar todas as coisas e fechar a concorrência. Um último indicativo é o trecho final da notícia divulgada no ICv2, onde um porta-voz da WotC afirmou:

“We are exploring other options for digital distribution of our content,” the spokesperson said.

Por mim charada resolvida. Mas só saberemos a resposta oficial em algum tempo, quando a Wizards lançar ou não seu site de venda de livros em PDF. Mas conhecendo a (falta de) habilidade da editora com ferramentas eletrônicas, isso pode demorar um bocado…

E como isso afeta as lojas eletrônicas de RPG e as editoras que vendem nelas? Ambas devem perder uma parte de suas vendas, embora seja difícil precisar o quanto. As lojas perdem basicamente sua maior fonte isolada de vendas, e cientes disso algumas já estão tomando providências para reverter a situação. A OneBookShelf tem tentado outras estratégias, como Sean Patrick Fannon, diretor de marketing da DriveThruRPG e RPGNow explicou em um post no fórum restrito de editoras da OneBookShelf:

Hey, all. Just a quick note, as I am in meetings and such.

Palladium has actually been signed on for a bit now, well before this happened. We’ve just been working on getting the books ready and setting up a “launch” for them.

Certainly, this is an interesting opportunity for Palladium, and I do intend to make it work for them, and for all of us.

I also applaud those publishers, like Green Ronin and White Wolf, who are taking an opportunity to reach out to their PDF customers with special deals and expressions of support and gratitude.

I can’t speak to any details about what’s going on, as things are still very much being discussed at a level much higher than my pay grade. I can tell you that we had record sales in 1Q of this year, and we are going nowhere but up as far as I am concerned. Yeah, this is a big sting if it stands, but it is also an opportunity for many folks.

Onward.

A Paizo por outro lado começou uma divertida campanha – a Paizo Gives PDFs Some Love, com descontos de 35% na linha Pathfinder. Embora seja provável que a Paizo perca alguma grana com o fim das vendas dos livros da WotC, a loja tem um público e comunidade próprios que giram ao redor dos produtos da própria editora, e deve ser a menos atingida das lojas de produtos eletrônicos.

E as editoras pequenas e médias? Estas devem sentir o baque de maneira diferenciada. De forma geral, praticamente todas as editoras que vendem produtos de fantasia medieval se beneficiavam com presença dos produtos da Wizards nestas lojas, já que as vendas conjuntas, nas quais um comprador levava um livro da WotC e algo relacionado ou complementar de uma editora menor por alguns poucos dólares a mais era uma constante, e algumas editoras inclusive chegaram a se especializar nisto, criando produtos dentro das temáticas dos lançamentos do D&D ou pequenos add-ons com regras alternativas que casavam dentro do tema de certo livro da editora, embora isso não fosse dito de maneira explícita. E estas certamente serão as mais afetadas.

Essa mudança, somada com a confusão da nova GSL definitivamente, tornaram a vida das editoras pequenas focadas na venda de produtos eletrônicos mais complicada… Ah não ser é claro, que a eventual loja virtual daWizards também venda produtos de outras editoras. Mas isto já seria, além de muito otimismo, uma especulação um pouco viajada demais.

Comments are closed.