Pesquisa: Como anda o RPG Nacional? – Parte 2

Hora de discutir o questionário! Como disse no post de ontem, a proposta é de poucas perguntas simples e mais diretas mesmo, apostando na boa vontade das editoras de abrirem seus números, e caso isso não role, teremos que buscar através de outras fontes na internet. Mas o ideal mesmo seriam dados oficiais das editoras, e para isso o questionário será fundamental.

A versão preliminar que fiz ficou com um total de sete perguntas. Vou repassar cada uma delas aqui:

1- Qual a data de lançamento dos títulos de RPG publicados pela editora desde sua entrada no mercado?

Nada de muito complicado para começar, todas as editoras possuem isso com alguma facilidade, até mesmo as com um catálogo enorme como Daemon e Devir. Na verdade é uma informação teoricamente pública, embora possa ser difícil de se obter com precisão em alguns casos.

2- Qual a tiragem de cada um destes títulos de RPG publicados pela editora? Algum deles foi reimpresso?

As coisas começam a ficar mais difíceis aqui. Tiragens são debatidas abertamente às vezes, mas  regra geral, não é um dado fácil de se obter no RPG nacional. Para nós é essencial, afinal sem a tiragem a pergunta seguinte, que é central, não faz sentido algum.

3- A respeito da vendagem, é possível informar qual a porcentagem das vendas de cada título?

Essa é A pergunta que mais nos interessa e mais deve assustar as editoras. De qualquer forma não custa perguntar não é?

4- Qual a expectativa da editora em relação ao percentual de vendas de um título de RPG nos primeiros seis meses após seu lançamento? E após um ano?

Acho esta pergunta quase tão importante quanto a anterior, com a vantagem de comprometer menos as editoras, afinal estamos falando de expectativas de vendas. Ainda assim, com ela teremos uma boa noção de como as empresas do RPG nacional trabalham em relação a seus planos de vendas e margens. Em alguma medida, pode até ser possível que com nossas próprias fontes tenhamos uma noção se um determinado lançamento alcançou sua margem ou não.

5- Por favor, fale um pouco sobre o processo de distribuição adotado pela editora. A editora executa sua própria distribuição, ou utiliza os serviços de uma empresa terceirizada?

A distribuição é um fator sempre trazido à tona nas discussões sobre o mercado nacional, embora ainda seja um serviço extremamente nebuloso e desconhecido de nós consumidores. Quero mesmo aprender mais sobre isso, e o primeiro passo e saber para quem perguntar!

6- Sobre o mercado nacional de jogos de RPG em geral, o que em sua perspectiva mudou desde a entrada da empresa no mercado até a data atual?

Pergunta mais geral sobre o mercado de RPG nacional. Tanto se fala sobre ele, que é hora de deixar quem realmente se arrisca nestas águas dar sua visão.

7- Quais as expectativas e principais projetos da editora para este ano?

Pergunta de encerramento básica: o entrevistado fala sobre seu trabalho e de quebra ainda pode dizer algo legal sobre as variáveis deste ano – com ou sem crise, com ou sem D&D 4ª edição, presença ou não no EIRPG e por aí vai.

E então, o que acharam?

Comments are closed.