Tormenta na 4ª edição do D&D?

Pela data do anúncio ser um pouco suspeita, esperei para confirmar tanto com o pessoal da Jambô como com o Trio antes de reproduzir a notícia bombástica sobre o cenário mais famoso do Brasil: Tormenta terá mesmo um módulo básico com regras da 4ª edição do Dungeons & Dragons!

Segue abaixo a notícia postada pelo Guilherme no fórum da Jambô:

Olá a todo mundo,

A seguir iremos disponibilizar o cronograma de lançamentos da Jambô para 2009. Sim, estamos atrasados, mas é porque estamos trabalhando em vários títulos! Vamos ter novidades para todas as linhas da editora: 3D&T, Mutantes & Malfeitores, Reinos de Ferro… e Tormenta, claro. Na verdade, aí vai um pequeno preview do que teremos para Tormenta ainda esse ano:

É isso que vocês imaginaram! Tormenta terá um módulo básico novo, compatível com a mais nova edição de D&D. É o cenário mais popular do Brasil junto com o jogo de RPG mais popular do mundo!

Mais novidades em breve, fiquem ligados!

Claro que esta pequena e misteriosa nota teve repercussões gigantescas. Como quem acompanha o Área Cinza sabe, os três autores que criaram Tormenta são grandes críticos da 4ª edição, e segundo alguns boatos que circulam na internet, inclusive já haviam começado um plano para sabotar o lançamento da nova edição no Brasil através de matérias tendenciosas na revista Dragonslayer. E claro, eles não ficaram nada felizes com o anúncio feito pela Jambô, já que a decisão parece ter sido unilateral e feita às pressas.

O Trevisan postou em seu blog uma versão dos autores sobre esta reviravolta, acompanhada de uma carta de repúdio e desligamento da editora Jambô. Nossos companheiros do .20 foram como sempre rápidos no gatilho e conseguiram uma entrevista exclusiva com o Guilherme sobre a decisão, e apesar de merecer ser lida por completo, destaco uma passagem que considero reveladora:

.20: Porque essa decisão tão repentina? A tal crise alardeada no maior portal de RPG do Brasil tem alguma influência sobre isto?

Guilherme: A decisão foi repentina, mas apenas porque o momento é de crise. A crise é uma Verdade. Alguns lugares argumentam que não há dados concretos sob a crise, e até mesmo que as informações disponíveis apontam para um momento de expansão (o que seria o contrário de uma crise). Mas isso é bobagem.

Essa informação muda muito do que eu imaginava sobre a bolha do mercado nacional e a crise. Afinal se até a Jambô, editora em maior ascensão no mercado brasileiro de RPG, está sentindo o efeito da crise, o que dizer do restante do mercado nacional? Deve ser por isso inclusive que a Devir está sofrendo com o atraso do Livro do Jogador da 4ª edição. Depois dessa, só falta mesmo o pronunciamento da maior editora do país sobre a crise que até então eu julgava ser fictícia e exagerada…

E falando no mercado nacional, quais serão os efeitos deste lançamento? Com a nova GSL a Jambô pode continuar oferecendo suporte ao cenário para 3ª edição enquanto lança simultaneamente material para a nova edição do D&D. Mas será que esta alternativa é viável? E o suporte ao cenário pela revista Dragonslayer, como será feito, já que a nova GSL impede que uma publicação tenha simultaneamente material da 4ª e 3ª edição? Prevejo um racha – onde o Trio vai abraçar a versão antiga do cenário na revista, e a Jambô vai dar suporte a 4ª edição com seus livros. E como fica o Leonel Caldela? Enfim, muitas dúvidas e questões sobre o futuro não só de Tormenta, mas de uma das mais importantes editoras nacionais da atualidade e do já abalado mercado nacional de RPG.

Comments are closed.