Curva de Desenvolvimento – O Combustível da Evolução

Na semana passada, falamos sobre como a presença de recursos é importante para o estabelecimento de um vilarejo, seu crescimento e subseqüente desenvolvimento econômico. Mas quais são esses recursos? Hoje vamos tentar tratar um pouco deste tema que, assim como os abordados em vários artigos anteriores, será essencial para a disposição de vilas, cidades e reinos no mapa de seu mundo.

Além de recursos naturais essenciais aos cenários de fantasia medieval, como ouro e pedras preciosas, trataremos de uma categoria extra, cuja importância não se pode quantificar com base em nossas experiências reais: os recursos mágicos. Aqui são englobadas ruínas místicas, locais de poder, ou mesmo regiões famosas por uma grande quantidade de itens mágicos e artefatos perdidos do passado.

RECURSOS NATURAIS

Recursos naturais são aqueles considerados valiosos em sua forma (relativamente) natural e inalterada. Um produto é geralmente considerado um recurso natural quando as atividades primárias a ele relacionadas são a extração e purificação, em oposição à criação. Dessa forma a extração de madeira, mineração, pesca, e caça, são consideradas atividades que envolvem recursos naturais.

Os recursos naturais podem ser classificados como renováveis e não-renováveis. Os recursos renováveis são geralmente recursos vivos, como peixes, cervos e árvores, que podem se renovar sozinhos ao longo do tempo, se não forem por demais explorados. Recursos não renováveis incluem o solo, assim como combustíveis fósseis, e metais e pedras com as mais diversas propriedades.

Numa situação tradicional, os recursos mais utilizados serão a pesca, a caça e o extrativismo vegetal. Como já tratamos em outra oportunidade, somente a pesca marítima é capaz de manter um vilarejo sem outras fontes de alimento; e mesmo assim, apenas em vilas de pequeno porte. O mesmo vale para a caça, que sem o apoio da agricultura ou pesca, dificilmente poderia suportar mais que uma centena de nômades, que teriam de se movimentar sempre para não exaurir os animais da região. No entanto, ambas são excelentes atividades de suporte à agricultura, cumprindo seu papel principalmente durante os períodos de entressafra e colheitas ruins.

A MADEIRA

Como recurso, a madeira se presta a uma diversidade de propósitos, uma vez corretamente preparada. É matéria prima na construção de casas e outras estruturas, alimenta o fogo, e é utilizada na fabricação do papel. A maioria dos móveis também é produzida utilizando-se a chamada madeira dura, ou nobre, como o mogno. Até hoje diversos países utilizam a madeira como combustível, e esse uso era ainda mais difundido na Idade Média. Cozinhas, forjas e lareiras não podiam sequer ser concebidas sem a presença desse material, que felizmente, era um recurso abundante na época. Ela também pode ser processada na chamada polpa, e então transformada em papel, que no período feudal era mais grosso e amarelado, por não existirem processos de refinamento avançados.

Por ser bastante comum na maioria dos mundos (pelo menos antes do processo de industrialização), a madeira dificilmente será um recurso determinante para o estabelecimento de uma comunidade, como alguns metais e pedras são, no entanto sua presença ao redor é sempre algo desejável.

MINERAIS E O OURO

Minerais são compostos naturais formados através de processos geológicos. Para ser classificado com um verdadeiro mineral, a substancia deve ser sólida e ter uma estrutura cristalina. Através da mineração, que é o processo de extração de minerais valiosos ou outros materiais geológicos da terra, esses minerais são retirados e depois refinados ou preparados para a manipulação. Os materiais mais comuns de serem minerados em um cenário de fantasia são o cobre, o ferro, o ouro, o níquel, a platina, a prata, o estanho e o carvão mineral. A tecnologia mineradora medieval padrão é bastante rústica, permitindo que apenas os recursos mais superficiais sejam extraídos sem a ajuda de magia.

O metal mais importante da fantasia medieval com certeza é o ouro, sendo ameaçado talvez somente pelo aço. O ouro é conhecido e valorizado desde a pré-história. Por ser extremamente maleável (1 grama de ouro pode ser convertido em uma folha de 1 metro quadrado), é provável que tenha sido o primeiro metal manipulado pelos homens, sendo usado desde já em ornamentações e rituais.

Desde então, o ouro é considerado o metal mais valioso em diversas culturas, e teve seu valor usado como padrão para várias moedas durante a história. Além disso, sempre foi usado como um símbolo de pureza, valor e realeza, dentre outros.

RECURSOS MÁGICOS

Seu cenário pode conter os chamados recursos mágicos, locais de poder, ruínas mágicas de civilizações perdidas, ou artefatos antigos com habilidades desconhecidas.

Um local de poder, onde as magias e feitiços funcionem mais facilmente e de forma mais poderosa, pode mudar completamente os rumos de uma civilização que disponha de magos habilidosos. A simples capacidade de criar itens mágicos mais rapidamente é capaz de equipar um exército, que terá a supremacia mesmo quando jogado em uma situação de desvantagem numérica. Em vários cenários, uma região como essa certamente seria mais cobiçada que uma grande jazida de ouro ou rubis.

Da mesma forma, ruínas de antigas civilizações esquecidas sempre são estudadas com afinco pelos sábios, e não raro escondem conhecimento e poder perdidos há muito tempo. Uma ruína desta pode ser o trunfo de um lorde menor, que declara guerra a um reino estabelecido; ou a chance de um povo escravizado se livrar de seus grilhões.

Certa vez tive contato com um cenário que era muito semelhante a vários mundos de fantasia medievais genéricos. No entanto, um detalhe tornava parte do cenário muito mais interessante que o resto: uma grande batalha ocorrida há milênios entre os exércitos de duas civilizações havia enchido uma planície de artefatos, armas e armaduras mágicas, itens que vez ou outra eram desenterrados durante alguma viajem. Com o tempo, um grupo de exploradores armou acampamento no local, e logo enriqueceu, atraindo mais e mais pessoas, até que uma grande cidade se formasse próxima à planície, girando quase que exclusivamente ao redor do comércio de itens mágicos, e daqueles que foram atraídos pela chance da riqueza instantânea. Somente por essa região o mundo se destacou das outras centenas de cenários de fantasia que já passaram em minhas mãos.

O PREÇO DOS RECURSOS

Os recursos naturais de uma nação são fatores importantes na determinação de sua riqueza e status na economia de seu mundo. Nações e reinos mais poderosos e desenvolvidos são os menos dependentes dos recursos naturais, devido à capacidade de adquirir, através do comercio, os recursos dos quais necessitem. E mesmo que lhe faltem recursos, uma nação poderosa sempre tem em suas mãos a opção de uma invasão.

A terra, principalmente se esconder recursos naturais valiosos, pode ser uma das grandes causas de conflitos e disputas entre reinos e cidades, evoluindo de simples escaramuças e problemas diplomáticos a possíveis guerras.

Estejam conosco mais uma vez na próxima semana, chegando ao ponto de partida em nossa primeira viagem aos mundos fantásticos. Até a próxima!

Comments are closed.