One Bad Egg encerra suas atividades

Na última sexta-feira a One Bad Egg, editora de livros de RPG eletrônicos especializada em criar produtos para a 4ª edição do Dungeons & Dragons, anunciou o fim de suas atividades. Com uma proposta bem interessante de livros diferentes e criativos, e formada por figuras bem conhecidas no cenário do RPG independente, como Fred Hicks, um dos responsáveis pelo Spirit of the Century, a One Bad Egg lançou 12 produtos para a nova edição do D&D antes de declarar o fim de suas atividades na nota abaixo:

The Egg Goes Dark

Posted by Fred | In Main | 11 Sep 09

This probably shocks very few people, but we’ve made a decision to let One Bad Egg go dark. We’ve got a number of reasons for the decision — reasons which I’ll ask the others to chime in on in the next few days, if they’re so inclined — but it all boiled down to a collective lack of the wind staying in our sails. This is not because we’ve fallen out of love with fourth edition — quite to the contrary, in fact. But loving playing and running the game is much different beast from loving writing for and doing third party design work for the game, at the end of the day.

There’s also the matter of sales that haven’t quite been there: our best selling products never managed to break the 300 copies sold mark, and many of our catalog didn’t even hit 100. We’d have had to see significantly higher numbers for the sales themselves to make a strong argument for continuing the work. They didn’t happen. And moreover some of our products were outright disappointments to us. We really love the Purifiers and the Codex Venenorum stuff, but the sales really abandoned us there, making the hard work put in on those ones yielding us a net loss. (Thankfully, at our scale, a net loss is not a bank-buster, at least.)

But it’s more than sales stuff. WOTC is doing a great job providing support for their game, and the online tools that come with a DDI subscription have had the curious side-effect of defining a product space that we can’t even touch, as third party publishers. Creating classes — already hard work — pretty much becomes a nonstarter when there’s no way to provide a “class definition” for use with the DDI character builder, and creating monsters (even ones as oogy fun as the Death Mother) starts to be questionable when a solid Monster Builder tool debuts from the primary publisher.

Design, too, has turned out to be less fun in practice than in theory. It’s a hard slog, and the only stuff that’s truly easy to cook up is the stuff on the margins. That makes it hard to keep a small stable of creative writers and designers motivated.

Finally, there’s been a simple issue of time. None of the founders have the kind of spare time that One Bad Egg demands, if the product output we think it needs to sustain is to happen.

I’m sure there’s more factors afoot, but that’s what I can tell ya from my perspective right now.

All is not lost, however. Our products will continue to be available — we won’t shut down the website this year or next, at least, so folks who’ve bought stuff through the Bookshelf will be able to continue to access it. Elsewhere, our products will continue to be on sale as we work in early October to transfer our product line over to Daniel M. Perez’s Highmoon Media, which should make it possible to continue to purchase OBE products you haven’t had the opportunity to pick up yet. We like Daniel a lot, and know he’ll do right by our stuff.

At any rate, thanks very much for your past and present support of One Bad Egg. We definitely got a small core group of serious fans, and that helped us keep going for as long as we did. But we know it’s time to close this chapter, and move onto our next ones. Thanks for coming along on the ride.

O site da One Bad Egg está fora do ar devido a problemas com o servidor, mas segundo Hicks voltará em breve com mais informações sobre o fim da editora e suas impressões sobre o desempenho dos livros lançados. Mas algumas coisas já chamam a atenção na declaração acima, como a parte sobre escrever para a 4ª edição ser muito diferente de jogar a 4ª edição, algo que muitos já imaginavam depois de ler a Game System License (GSL) que rege a criação de produtos usando as regras da 4ª edição do Dungeons & Dragons. Criaturas doManual dos Monstros que não podem ter seus blocos de estatísticas reproduzidos (ou sequer a página onde se encontram citados), definições de classe e raça que não podem ser alterados, tudo isso e muito mais tornam a criação de livros de RPG usando a GSL do D&D uma tarefa muito menos divertida…

As vendas foram outro fator, embora Hicks tenha comentado em outros lugares que as vendas abaixo do esperado não foram o principal fator para o fim da editora. Cem cópias vendidas de um PDF pequeno como oRaces of the Shroud for D&D 4E: The Apelord (que vendeu mais de cem cópias, só olhar o símbolo de Popular Copper Pick no canto direito) não me parece um negócio ruim, e dois livros mais elaborados da editora, o Hard Boiled Armies for D&D 4EHard Boiled Cultures for D&D 4E venderam mais de duzentas cópias por um preço entre os $4 e $6 dólares em 8 meses, o que ao meu ver está até acima da média que se pode esperar de um livro de RPG em PDF. Claro que estes são os livros mais bem sucedidos, porque alguns como o Poisoncraft for D&D 4E: The Codex Venenorum mesmo com suas elogiadas 50 páginas de venenos e regras para sua criação, ainda não alcançou as cem cópias vendidas (embora tenha sido lançado recentemente, em Junho).

E o comentário sobre o excelente trabalho de suporte desenvolvido pela Wizards of the Coast com o D&D Insider definitivamente merece ser examinado. Realmente a WotC tem dado um suporte para o jogo que vai além de qualquer coisa que vimos na edição anterior, entregando mensalmente mais material do que seria possível usar mesmo jogando 3 campanhas simultaneamente. Aventuras, classes, raças, talentos, poderes e itens, tudo isso está sendo produzido em um ritmo alucinante, e no geral com uma qualidade bem satisfatória, pela editora, o que realmente dificulta o trabalho das outras editoras que trabalham com o sistema. Citando Justin Jacobson, um dos designers da One Bad Egg em uma discussão na EN World sobre a “competição” com o D&D Insider:

For my part, it’s not so much that we couldn’t compete with WotC. Rather, I lost a lot of the drive to design as WotC put out more and more material as if they sucked it from my brainpan while I slept.

My 2cp: I first approached Rob and Fred about doing some 4e stuff with them for a simple reason: I liked playing 4e and had a lot of design ideas floating around in my head. We were all pretty much on the same page. OBE would be a good venue for us to explore those design ideas and get them out to other people who might find them fun and useful too. Things started out great. As I started working on 4e projects, though, a peculiar thing happened. I kept have to push back some design stuff based on what WotC was putting out. Me: I’ll work on a binder class. WotC: We’re releasing the shaman in PHB2. Me: I’ve got a lot of neat ideas for minions. WotC: Here’s a shiny new Monster Builder that makes monster design virtually obsolete. You get the idea. (And there are many more examples, q.v., Fred’s arena powers and WotC’s arena items in AV2.)

For me, this is a good thing. The company that publishes D&D is routinely doing almost exactly the kinds of things I am looking for. OTOH, it makes the hard work of creating and publishing material difficult to justify.

Este é um dos riscos de ser pioneiro em algo. Quando a One Bad Egg começou no início do ano, o D&D Insidernão era nem de perto o serviço excelente que é hoje, e a proposta da editora de fazer material com uma pegada fortemente autoral misturada com uma parte mecânica sólida obviamente soou excelente. Mas na prática não vingou. Claro que o D&D Insider é um fator forte aí, e as editoras que quiserem se aventurar na publicação de material para a 4ª edição do D&D terão que calcular principalmente não apenas a concorrência das outras editoras, mas o que o D&D Insider já cobre. Isso sem contar o esforço de manobrar no campo minado jurídico que é a GSL…

Por outro lado acho que apesar da excelente qualidade do material, o pessoal da One Bad Egg deveria ter investido mais em coisas para o mestre usar pontualmente, que não concorressem diretamente com o material da Wizards, como pequenas aventuras, encontros de pericias e monstros. Na verdade acho que atualmente este é o meio mais seguro de sobreviver no mercado de livros para o D&D 4ª edição sem ser esmagado pelo rolo compressor do excelente D&D Insider!

Comments are closed.