Erik Mona e o futuro do RPG

Entre os dias 5 e 8 de Novembro de 2009 aconteceu em Las Vegas a Neocon/GAMESU, uma conferência de jogos e game design da qual eu nunca havia escutado falar pra ser sincero… Só fui tomar conhecimento do evento agora em Março de 2010 quando os vídeos de algumas das palestras foram disponibilizados na internet. Imediatamente chamou minha atenção a palestra dada pelo Erik Mona, cabeça da editora Paizo e do Pathfinder RPG, com o sugestivo título de Pen & Paper Gaming in the 21st Century, um tema que volta e meia é abordado aqui no Área Cinza. E Mona pra variar mandou muito bem, a apresentação apesar de bem longa (67 minutos pra ser exato) é muito interessante e vale mesmo a pena ser assistida, especialmente para quem se interessa pela história do RPG, as mudanças pelas quais o hobby passou nos últimos 10 anos, e a influência de novas tecnologias e mídias no bom e velho RPG de mesa.

Não vou repetir que vale muito a pena assistir o vídeo todo, mas para quem não tá com tempo ou não se interessa por tudo, vou dar um resumo dos assuntos abordados pelo editor da Paizo na palestra:

  • Aos 2:30 Mona fala sobre os diversos pontos de vista sobre o mercado que podem ser oferecidos dependendo de para quem se pergunta. Distribuidores, editoras, escritores e jogadores certamente apresentarão expectativas e avaliações diferentes sobre o mercado de RPG, baseados obviamente em suas experiências específicas, e como é importante escutar diversas perspectivas. Bem de acordo com a idéia das entrevistas sobre 2009!
  • A partir daí ele conta um pouco de sua história com o RPG, como começou a jogar, como era o mercado na década de 80, na qual não existia muito um mercado de RPG, mas basicamente de Dungeons & Dragons. Depois entra no tema de como começou a trabalhar com RPG na Wizards of the Coast durante o lançamento da 3ª edição do D&D.
  • Ao falar de como foi participar da WotC na época  do lançamento do D&D 3ª edição, Mona aos 9 minutos do vídeo trata das expectativas diferenciadas (e obviamente mais altas) que a editora tem de seus produtos por ser detentora do RPG mais famosos e vendido do mundo. Assim muitos projetos que seriam considerados um grande sucesso em outras editoras, foram cancelados na Wizards justamente por ser a maior e mais lucrativa empresa do ramo.
  • Aos 21 minutos, Erik Mona encerra sua retrospectiva sobre como se envolveu e entrou na indústria do RPG, e aborda o tema principal da palestra: como ele imagina que serão os próximos 10 anos para o mercado de RPG. Ele abre essa discussão marcando que os RPG de mesa hoje são uma pequena parte do que se entende como RPG de forma geral, sendo um nicho muito menos famoso e rentável que a versão eletrônica, mas que por outro lado o RPG que conhecemos a mais de três décadas permite experiências mais abertas e deve passar por grandes modificações nos próximos anos devido as inovações tecnológicas.
  • 10 minutos depois, Mona já está falando sobre algo que considero um dos pontos mais importantes em um mercado de nicho como o RPG, e que grande parte das editoras só tem feito direito muito recentemente: formas que a tecnologia te permite um contato com seus consumidores em potencial de forma muito mais rápida e constante. Não adianta ter um site ou um fórum se ele não é atualizado ou frequentado por quem os jogadores querem fazer contato. A proposta é que os funcionários da empresa prestem atenção e mantenham um contato direto com os jogadores, fazendo com que se sintam-se próximos da editora e dos game designers, uma medida que não só é bacana e gera um feedback excelente, como também pode ajudar a diminuir a pirataria, já que ao criar está referência com a empresa, a tendência é que os jogadores queiram apoiar e divulgar o trabalho de sua editora ou escritor favorito e não ferrá-lo. Mais sobre isso no final do vídeo!
  • Aos 35 minutos de vídeo o editor da Paizo fala sobre o crescimento do mercado de PDFs, e a forma como ele afetou positivamente a indústria do RPG , em especial na  redução de custos de entrada de novos nomes no mercado.
  • Mona então se volta para as tiragens dos livros de Dungeons & Dragons desde a década de 80, especialmente os módulos mais famosos como Temple of Elemental Evil, que venderam mais de 50 mil cópias. A queda destes números à partir da década de 90 mostra como a fatia de mercado do D&D foi canibalizado por outras empresas e outros títulos, e hoje os números de vendas de cada produto, mesmo da WotC são em média, muito menores que os de 25 anos atrás.
  • Ao falar sobre sua experiência na Paizo, aos 40:00 Mona toca no assunto dos lojistas e distribuidores, e mais uma vez aponta como as inovações tecnológicas estão afetando o hobby, desta vez ao falar da Amazon, livraria virtual que esgotou praticamente sozinha a primeira tiragem dos livros básicos do D&D 4ª edição. Uma das medidas que as lojas e distribuidores tem para enfrentar os descontos assustadores da Amazon são as estratégias de jogos organizados e a criação de vínculos com os consumidores, assim como as editoras fazem ou deveria fazer.
  • Finalmente aos 51 minutos Erik Mona começa a concluir sua fala, dizendo da velocidade dos avanços tecnológicos e como é cada vez mais difícil prever que mudanças elas trarão em nossa vida. No entanto ele é muito otimista com os rumos do mercado de RPG, ainda mais depois de 2009 com o aparecimento de outros “jogadores de peso” nas prateleiras – como o próprio Pathfinder RPG e os títulos de Warhammer 40k e a nova edição do Warhammer Fantasy, embora nenhum deles sozinho seja tão grande como o Dungeons & Dragons, juntos eles representam uma parte interessante do mercado.
  • As duas perguntas feitas pela platéia foram legais, em especial a primeira aos 58:30, sobre a ameaça da pirataria e dos PDFs, a  qual a resposta de Mona é excelente. Ele diz que as editoras devem ser mais proativas sobre a pirataria, e se esforçar para oferecer produtos melhores para os fãs e membros da comunidade, e usar esse relacionamento com os fãs como uma estratégia para diminuir os efeitos da pirataria. Bem legal mesmo!

Claro que em mais de uma hora de palestra rolou muito mais que isso, mas estes foram só os tópicos que me chamaram mais a atenção. Ele fala um monte sobre jogos eletrônicos (especialmente Fallout 3!), mas essa não é muito minha praia. Acho que com esse vídeo o Erik Mona roubou o cargo que era do Chris Pramas como o cara do mercado de RPG que eu acho mais esperto e sagaz!

Comments are closed.