Curva de Desenvolvimento – Seres Fantásticos, Onde Eles Habitam…

Por Richard Garrell

Na primeira parte desse artigo, foram apresentados alguns comentários sobre o povoamento de seres fantásticos (ou seja, não-humanos) em um mundo de fantasia. Com base nessa análise preliminar, vamos agora analisar com mais detalhes algumas das principais raças fantásticas no que tange as formas de povoamento delas em um cenário fantástico. Como foi comentado no artigo anterior, não foi uma escolha fácil, mas com as raças apresentadas aqui, se torna possível ter uma visão de várias outras raças, seja porque elas foram de alguma maneira baseadas nessas raças icônicas, seja porque apresentam características semelhantes nos eixos de Ordem x Caos e Bem x Mal. É importante ter em mente também que as raças serão trabalhadas visando em primeiro lugar seus estereótipos, para permitir uma visão m ais clara da mesma e facilitar na adequação a versões diferentes de cada raça.

SALÕES DE PEDRA, MONTANHAS PROFUNDAS

Os anões são caracteristicamente uma raça ordeira, com uma organização social claramente definida, tradicionalmente dividida em clãs familiares, com cidadãos especializados nos mais diversos ofícios, normalmente relacionados a mineração, artesanato ou guerra. Vivem em regiões montanhosas (e mais frequentemente) dentro das montanhas, em reinos subterrâneos. Embora sejam caracterizados mais como ordeiros que benignos, são comumente alinhados para o bem. Por serem uma raça ordeira, os anões distribuem-se de maneira organizada, delimitando com clareza seus territórios, e tentando maximizar a extração de recursos naturais essenciais para a sobrevivência de suas comunidades. Quando benignos, é comum que estabeleçam relações comerciais com raças próximas e igualmente benignas; caso contrário, tenderão ao isolamento. Raças anãs malignas tendem a dominar grandes territórios montanheses ou subterrâneos, desencadeando diversas guerras de conquista. Em muitos cenários, anões possuem inimigos raciais, comumente gigantes ou raças subterrâneas; a presença de raças inimigas próximas aos povoamentos anões pode alterar a relação dos anões com seu território; a sobrevivência da comunidade e os esforços de guerra se tornarão a prioridade dos anões. Por serem longevos, os territórios estabelecidos dos anões tendem a permanecer imutáveis por muito tempo; o que reforça a tendência da raça em serem cautelosos no estabelecimento de suas comunidades.

VALES INSTRANSPONÍVEIS, FLORESTAS ESCURAS

Elfos estão alinhados normalmente para o eixo do caos, representando uma raça que preza primariamente sua liberdade e individualidade. Dessa forma, a sociedade élfica é maleável e pouco hierárquica. Elfos são comumente retratados como notórios praticantes de magia, exímios arqueiros e espadachins. O território tradicional dos elfos na fantasia são grandes e impenetráveis florestas. Elfos são particularmente longevos; dessa forma, é comum que na história de um determinado cenário, um determinado território tenha sido “sempre” uma região élfica (dessa forma, a Floresta Imortal sempre foi a morada da corte de Lenatárienn, antes mesmo da chegada dos homens do Norte, ou dos anões das montanhas). Devido a sua natureza caótica, os territórios élficos podem variar de grandes extensões a pequenas regiões. Elfos defendem seus territórios com intensidade, mas populações pequenas com grandes territórios terão certa dificuldade em proteger suas áreas, a não ser que utilizem recursos mágicos em seu auxílio (expediente comum na fantasia, com elfos tendo como aliados entes e feras das florestas). Elfos alinhados para o bem costumam ter boas relações com seus vizinhos territoriais, caso esses respeitem as fronteiras élficas (o que pode não ser tão fácil quanto parece; para um império élfico de dois mil anos, o fato da região sul não ter sido ocupada nos últimos quatro séculos não significa que os elfos esmeralda abandonaram suas terras é apenas uma questão de tempo até que os humanos sejam polidamente solicitados a abandonarem as fortalezas que erigiram nas terras élficas). Elfos alinhados para o mal serão dominadores e expansionistas, utilizando de sua capacidade arcana para conquistar a maior parte de território possível. Uma outra interpretação de elfos malignos é de um território élfico incrustado em uma região florestal de difícil acesso, com uma corte élfica particularmente xenófoba, que responderá com grande violência a menor invasão de seu território.

PÂNTANOS AMALDIÇOADOS, VASTIDÕES EM GUERRA

Orcs são uma raça agressiva e bárbara, alinhada para o caos e o mal. Orcs possuem uma sociedade tribal, com a liderança conquistada pelos mais fortes da tribo. Orcs dificilmente constituem grandes impérios, sendo mais comum comporem um grande número de pequenas tribos, que ocupam um determinado território, e que embora possam ser unidas por um líderes particularmente forte, normalmente se encontram em estado constante de guerra entre si, combatendo com tanta intensidade seus membros de sua própria raça pertencentes a outras tribos como outras raças. Os Orcs possuem pouco respeito pelo território em que se encontram, se distribuindo de maneira caótica e exaurindo todos os recursos naturais que possam ser utilizados por suas tribos- assim sendo, é necessário que tribos orcs estejam sempre em constante mudança, ou caso possuam membros suficientes, em estado permanente de expansão. Orcs não possuem um território que possa ser classificado como sendo comum a essa raça, podendo ser encontrados em regiões variadas. Não obstante, por serem desorganizados por demais, é improvável que consigam resistir a forças de resistência de raças mais organizadas. Assim, os melhores territórios de um mundo fantástico dificilmente serão ocupados por orcs. Assim, é mais comum que as tribos guerreiras ocupem regiões pobres em recursos ou particularmente hostis, como regiões pantanosas, grandes vastidões de rocha ou complexos subterrâneos de cavernas. Os orcs encontram-se porém nessas regiões por necessidade, e não por vontade: assim, sempre que possuírem a oportunidade, essa raça tentará conquistar e expandir seus territórios. Não é incomum também que orcs estejam sob o domínio de uma raça má mais poderosa ou organizada, e que sejam utilizados como força colonizadora de uma nação maligna (os orcs das Montanhas Centrais se dividem em um sem-número de pequenas vilas, cujo principal função é combater os anões que habitam essas montanhas, enfraquecendo-os e facilitando o avanço do Império Escarlate).

Bem, isso é o que temos por hoje. Espero que estejam aqui mais uma vez na semana que vem, discutindo o lado mais monstruoso das populações dos cenários de fantasia.

Um Comentário

O que acha? Tem alguma crítica ou sugestão? Só mandar! Deixe um Comentário

Trackbacks for this post

  1. A Quinta Dimensão #05 – Boletim Semanal « Além da Imaginação

Comments are now closed for this article.