Curva de Desenvolvimento – Quando o Povo Vem de Longe

Nas últimas semanas temos tratado dos nuances que cercam o povoamento de um mundo de fantasia, e hoje abordaremos a perigosa, mas excitante vida dos colonos, que se fixam em terras desconhecidas, seja em fuga de seu reino de origem, ou em busca de tesouros, aventuras e riquezas.

COLONOS E EXPLORADORES

Os colonos na maioria das vezes são pessoas que viajam por escolha própria, partindo de sua terra natal para regiões recém-descobertas e em processo de colonização. As razões por detrás desta migração podem ser as mais variadas, mas em geral giram em torno de: Oportunidades financeiras, seja por conta própria, como colonos que partem a determinada região em busca de ouro ou pedras preciosas, ou mesmo financiados pelo governo para ocupar um determinado pedaço de terra e torna-lo produtivo e protegido de invasores; motivos culturais, étnicos e sociais, como por exemplo meio-orcs ou meio-elfos que abandonam a sociedade humana para fundarem uma sociedade exclusiva em uma ilha ou região distante; e finalmente causas políticas e religiosas, não sendo incomuns os casos de perseguição e até mesmo exílio de uma determinada raça, credo ou facção política.

Na fantasia medieval os colonos, exploradores e pioneiros e a própria ação de desbravar e popular territórios até então desconhecidos ocupam um papel de destaque frente a outras ocupações. Aventuras, campanhas e até mesmo cenários inteiros podem ser criados tendo como premissa a exploração de um novo mundo ou continente, onde os jogadores são constantemente ameaçados por criaturas, desastres naturais e dilemas até então nunca antes vistos, tendo que resolver as situações contando somente com seus recursos e astúcia, já que sua civilização se encontra a distante demais para sequer tomar nota do fracasso ou sucesso de seu empreendimento. Em um cenário deste tipo o mestre pode criar guildas de exploradores e corporações de colonização, que além de enfrentar os perigos da conquista ainda devem disputar os recursos do governo e a concorrência acirrada por territórios potencialmente ricos ou que tenham algum outro valor. Afinal, se a colonização e o desbravamento de algumas regiões de nosso mundo foram marcados por surpresas, perigos e conflitos, em um mundo fantástico as coisas só podem ser ainda piores!

AS COLÔNIAS

Em nosso mundo as colônias são regiões controladas por outros países, ou metrópoles, sendo muitas vezes submetidas a processos extremos de opressão, onde têm suas riquezas extraídas e seus cidadãos não possuem os mesmos direitos que os nativos da metrópole. No entanto em um mundo de fantasia podemos usar o termo colônia de forma mais livre, englobando também relações menos predatórias entre a colônia e a metrópole. Em um local que não possua outros habitantes anteriores a chegada dos colonos é o exemplo ideal para esse tipo de relação, pois todos os seus habitantes seriam originários da metrópole ou de seus vizinhos, e mesmo que desenvolvam uma identidade coletiva ligada à colônia, isso poderá levar gerações, ou ao menos tempo o suficiente para que os laços sentimentais, de dever, e culturais sejam enfraquecidos.

Mesmo o conceito mais conhecido de colônia ainda abarca uma grande variedade de tipos, que são definidos principalmente pela relação desta com a metrópole, e a função com a qual foi criada inicialmente.

Os dois tipos mais comuns de colônia são as de extração e de povoamento.O primeiro é o modelo utilizado em larga escala na América Latina, onde a metrópole identifica algum recurso natural valioso na colônia, e o explora a exaustão, para isso desenvolvendo somente as estruturas físicas, sociais e econômicas mínimas para a extração. Note que o conceito de recurso natural, ao menos na nossa história, foi aplicado não apenas ao ouro, madeira valiosa ou pedras preciosas, mas também temperos desconhecidos, tecidos finos, e até mesmo outros seres humanos, capturados e encaminhados aos lucrativos mercados de escravos.

As colônias de povoamento também podem proporcionar lucros para a metrópole através do comércio e impostos, mas tem como objetivo primário receber imigrantes da metrópole, que podem ser refugiados devido à classe social, religião, etc. Outra situação comum são os imigrantes que partem por vontade própria, em busca de uma vida melhor na colônia. Em uma colônia de povoamento a metrópole geralmente investe mais recursos e de forma mais pulverizada do que em colônias de extração, mas uma colônia que não receba nenhum tipo de recurso e que seus habitantes sejam lançados à própria sorte é uma opção interessante e que pode funcionar como uma verdadeira fonte de aventuras.

Uma alternativa são as colônias penais, onde as metrópoles enviam seus condenados para cumprir pena, geralmente de trabalhos forçados. O Reino Unido utilizou a Austrália como colônia penal, enviando para lá seus condenados, que depois de cumprirem a pena se fixaram na região. Durante sua história a França deportou prostitutas, insurgentes e outros indivíduos “indesejáveis” para suas colônias na América do Norte.

ADQUIRINDO A INDEPENDÊNCIA

Leve apenas algumas décadas, ou vários séculos, uma colônia em algum momento de sua história vai considerar seriamente a possibilidade de sua independência. Esse processo, também chamado de descolonização, marca a quebra dos elos de dever da população da colônia com o governo da metrópole, e forja definitivamente a relação dos colonos com a supremacia política local.

Mesmo sendo considerado um processo político, a descolonização muitas vezes envolve ações violentas e conflitos, principalmente no caso de colônias muito ricas ou de alto valor estratégico. As revoltas populares contra o governo da metrópole se tornam comuns e podem agir como estopim para o movimento de independência, pressionando a elite política local a se unir contra os funcionários da nação dominante. Casos de revoltas populares não-violentas também são possíveis, como no caso da Índia, mas não garantem que a resposta da metrópole seja do mesmo tipo, principalmente se as manifestações estiverem ocasionando perdas econômicas importantes.

A independência é um processo longo, mas que pode ser facilitado caso a colônia tenha a seu lado o apoio de outras nações independentes. Os primeiros países a apoiarem a independência de uma colônia tendem a ser aqueles que estão em guerra com a metrópole, ou que visualizam ganhos com a abertura de mercado que segue o movimento de independência. Nações que tenham a mesma religião oficial da colônia, ou que tenham a maioria de uma determinada etnia também são ótimos candidatos a aliados no processo de independência, e podem fornecer não apenas legitimidade ao movimento frente aos outros países, mas também apoio logístico e até mesmo atuar de maneira direta, enviando tropas e navios para os rebeldes.

Com isso, terminamos nossa discussão sobre o povoamento. Se entenderem que algum tópico ficou por ser abordado, no entanto, não se esqueçam de entrar em contato, permitindo que voltemos mais adiante para “amarrar essas pontas”. Estejam conosco então na próxima semana, levando adiante mais um tema para o desenvolvimento dos cenários de fantasia, até mais!

Um Comentário

O que acha? Tem alguma crítica ou sugestão? Só mandar! Deixe um Comentário

  1. Excelente! Me deu várias idéias para minha campanha!

Comments are now closed for this article.