As duas semanas finais da campanha do Violentina

Finalmente a campanha de financiamento coletivo do Violentina chegou ao seu final! E que mês foda Agosto foi para nós!

Como já disse antes, embora tivéssemos certeza que a campanha seria bem sucedida, não imaginávamos que bateria os 9 mil reais e teria uma participação tão foda da comunidade através de posts, sugestões, elogios e críticas. Na real, e não estou falando só de quem colaborou financeiramente, mas de todos que falaram do Violentina, que curtiram a ideia e acharam interessante divulgar a proposta, muito obrigado, esse resultado jamais teria sido alcançado sem a participação e apoio de vocês.

Agora antes que eu comece a chorar de emoção e essas merdas, vamos para os números, afinal me comprometi a comentar o andamento da campanha em seu aspecto mais quantitativo, de forma a mostrar pra todo mundo como foi e o que fizemos para tentar bombar ainda mais o Violentina.

Retomando, esse post deve complementar a série sobre a campanha, que começou com um olhar sobre o fenomenal dia 1º de Agosto, quando a campanha foi lançada, e posteriomente sobre a primeira e segunda semana de campanha, assim como uma discussão sobre o valor médio das contribuições e upgrades nas recompensas para os colaboradores. Dessa vez vou falar da segunda quinzena campanha e dos números finais da parada.

Dá última vez que fiz uma análise mais forte da campanha, estávamos no dia 15 de Agosto com R$ 6.197,00 arrecadados. Assim é hora de falar do dia 16 até o final no dia 31 de Agosto, e nada melhor para começarmos que um gráfico daqueles tosquinhos:

 

De R$6.197 para os R$9.217 que a campanha alcançou no seu último dia, foi um crescimento de quase 50%, ou seja, a parada não esfriou após a segunda semana como eu esperava que fizesse, ainda bem! Mas olhando para o gráfico os períodos “mornos” e os “quentes” são evidentes, com os primeiros sendo maiores, mas com saltos bruscos em certos dias. Que dias foram estes? Se você acompanhou a campanha já sabe: dias 15, 22 e 29, as segundas de Agosto. E se acompanhou sabe que isso não aconteceu espontaneamente (embora as segundas sejam, ao menos para nós os dias com maiores acessos), mas devido a estratégia de colocar 5 novas caixas à venda toda segunda como forma de comemorarmos a meta de 5 mil reais. Pelo visto funcionou muito bem!

Vamos dar uma olhada nos 5 dias nos quais arrecadamos os maiores valores, e o que aconteceu neles:

01/08: R$3.220,00 – O lançamento da campanha, que foi descrito em detalhes aqui.
29/08: R$835,00 – Última segunda da campanha, na qual acrescentamos além das 5 caixas, uma maleta, a recompensa mais cara.
30/08: R$700,00 – Basicamente o último dia da campanha, já que no dia 31 ela se encerrou antes das 9 da manhã. 
15/08: R$675,00 – Primeira segunda com na qual rolou a adição de novas caixas.
06/08: R$587,00 – Dia que liberamos a possibilidade de upgrade para os primeiros colaboradores, descrito aqui.

Ou seja, dos cinco dias, dois são o que poderíamos chamar de maneira descompromissada de “eventos comuns” em uma campanha de financiamento coletivo – afinal todas as campanhas tem um primeiro e um último dia. Nada mais normal que estes dias sejam os mais movimentados, tanto pelos mais interessados, que voam nas primeiras horas para contribuir, como por aqueles que deixaram a colaboração para última hora. Mas outros três destes dias podem ser chamados de “eventos artificiais”, afinal a injeção de novas recompensas limitadas e a possibilidade de upgrade foram pensadas por nós como forma justamente de tacar lenha e aquecer a campanha.

O truque aqui é saber o tamanho de sua demanda e o quanto ofertar em resposta. Erramos de maneira absurda nisso no começo da campanha, ao colocar somente 10 caixas e uma maleta inicialmente da parada. A solução que encontramos, embora talvez não tenha sido a mais elegante, funcionou bem – conseguimos esgotar as caixas e maletas adicionais mas sem que elas ficassem sobrando ao final da campanha. Se no começamos com 10 caixas e uma maleta, ao final da campanha se foram 32 caixas e 3 maletas, distribuídas de maneira que sempre estavam mais ou menos escassas, e que acredito, foram puxando os valores das contribuições e agitando a campanha. Se eu conseguisse um Delorean e algum plutônio, provavelmente teria sugerido o desenho da campanha de forma diferente no que tange as recompensas limitadas, mas da forma que fizemos acho que conseguimos dar uma bela corrigida nos erros de cálculo, que são bem normais já que não era só nossa primeira experiência com o financiamento coletivo, mas algo nunca feito no RPG nacional, e que não sabíamos em que medida ia colar.

Outra coisa que acho importante para fechar é darmos uma olhada nos valores arrecadados por semana e na média das colaborações:

Ao primeiro olhar a semana inicial oblitera as outras né? Mas se levarmos em consideração que destes R$ 4.937,00 incríveis R$3.220,00 vieram só no primeiro dia, restam R$1.717,00, a colocando ali mais próxima das outras semanas. O gráfico evidencia a queda do meio da campanha, então se eu tivesse meu Delorean, pensaria em algo extra, ou recompensas mais bombadas ainda para os valores de 5 a 7 mil reais, de forma a tentar compensar esse período mais lento.

Sobre as colaborações e colaboradores, ao final da campanha a página do movere.me mostra orgulhosa que 131 pessoas se moveram para tornar o Violentina possível. Esse número seria correto se a gente não tivesse feito a gambiarra dos upgrades para bombar mais a campanha e atender os colaboradores iniciais. Com o upgrade, algumas pessoas fizem duas ou até três colaborações, de modo que, se tivemos 131 colaborações, o número exato de colaboradores foi de 117 pessoas. Nada mal também! Com isso a média de contribuição por colaborador ao final da campanha foi de R$78,77. Bem acima dos 40 reais que esperávamos antes da campanha ir pro ar!

Espero que tenham curtido acompanhar os bastidores da campanha de financiamento coletivo do Violentina. Minha intenção foi a de tornar o processo o mais transparente possível, apresentar e explicar nossas escolhas, acertos e erros, de forma a tentar contribuir um pouco para que as pessoas entendam como a ferramenta do crowdfunding funciona com base em nossa experiência. Nos próximos dias gravarei o segundo episódio do do Tons de Cinza, com o Eduardo Caetano de convidado para discutirmos sobre a campanha do Violentina e a produção daqui para frente. Se tiverem perguntas ou sugestões essa é a hora para mandar!

3 Comentários

O que acha? Tem alguma crítica ou sugestão? Só mandar! Deixe um Comentário

  1. Olá equipe vitoriosa do Violentina.
    Gostaria de parabenizá-los pela maravilhosa conquista. Saibam que essa conquista não é somente de vocês, e sim de todo RPGísta brasileiro.

    Eu não pude participar da campanha pois quando soube da mesma só faltavam algumas horas, porém divulguei as ultimas horas restantes com fervor.

    Gostaria de perguntar a vocês o seguinte: Vocês em algum momento pensaram que poderia não haver nenhuma contribuição, que ninguém doaria ou algo assim ?

    Ou vocês já construíram o Violentina baseando-se em possíveis ou até mesmo certos “compradores” do futuro RPG ?

    • Rocha disse: (Author)

      Ei Pedro, valeu pela força! Na real a gente sabia que o Violentina alcançaria a meta inicial, principalmente pelo interesse que um monte de pessoas demonstrou no jogo antes da campanha entrar no ar.

      Pessoalmente eu achava que a campanha ia levantar no mínimo 3 mil, com base no número de pessoas que compraram o Busca Final na pré-venda, mas nunca imaginei que fossemos bater os 9 mil!

  2. Mari disse:

    Parabéns!

Comments are now closed for this article.